ESCOLA DA DIVINA VONTADE-DÉCIMA OITAVA SEMANA DE ESTUDOS

 VIDEO

Volume 1 - 

(133) Neste período de tempo, recordo que houve uma epidemia de cólera, e que um dia que pedia ao meu bom Jesus que fizesse cessar esse flagelo, Ele me disse:
(134) "Contentar-te-ei contanto que aceites oferecer-te a sofrer o que Eu quiser".
(135) Eu disse: "Senhor, não, não posso, Você sabe como eles pensam, a menos que tudo aconteça apenas entre Você e eu, só assim eu estaria disposta a aceitar tudo".
(136) E Ele me disse: "Minha filha, se Eu tivesse pensado no que os homens pensavam e no que queriam fazer de Mim, não teria feito a Redenção do gênero humano, mas eu tinha meu olhar fixo em sua salvação, e o grande amor que me devorava me fazia fazer que quando via pessoas que pensavam mal de Mim e que davam ocasião de me fazer sofrer mais, Eu oferecia essas mesmas penas que eles me davam por sua própria salvação. Você esqueceu o que eu quero de ti é a imitação da minha Vida, e que quero que participes em tudo o que sofri? Não sabes tu que o ato mais belo, mais heróico, e mais agradável a Mim e que deves oferecer-me, é o de te oferecer por aqueles mesmos que te são contrários?".

(137) Eu fiquei muda, não sabia o que lhe responder, aceitei tudo o que o Senhor queria, e assim até a tarde fui surpreendida por esse estado de sofrimentos no que estive três dias contínuos, e depois que voltei em mim não ouvi mais que houvesse cólera.
(138) Depois disso me veio outra mortificação, e foi a de ter que mudar confessor, porque sendo ele religioso foi chamado ao convento. Eu estava contente com ele, e a maior parte das coisas ditas acima aconteciam quando ele estava no campo, especialmente no último ano que foi meu confessor, pois pela cólera que havia na cidade permaneceu seis meses no campo; por isso não participou tanto nessas coisas, Ele me fazia ficar um dia nesse estado de sofrimento e vinha.
Depois de ter voltado do campo, não passou um mês em que soube que devia partir; isto foi doloroso para mim, não porque estivesse apegada a ele, mas pela necessidade que tinha. Então disse ao Senhor minha pena, e Ele me disse:
(139) "Não te aflijas por isso, Eu sou o dono dos corações, e posso Movê-los como me parece e me agrada. Se ele te fez o bem não foi mais que um instrumento que recebia de Mim e te dava a ti, assim farei com os demais, do que teme então? Amada minha, enquanto você tiver seu olhar, agora à direita, agora à esquerda, e a deixe que se pose agora em uma coisa, agora em outra, e não a mantenha fixa em Mim, não poderá caminhar livremente o caminho do Céu, mas irás sempre tropeçando e não poderás seguir o influxo da graça. Por isso quero que com santa indiferença olhe todas as coisas que acontecem ao seu redor, estando toda atenta somente a Mim".

2-20
Maio 7, 1899

Da pureza da intenção e da verdadeira caridade.

(1) Enquanto no dia fiz a meditação, Jesus continuava a fazer-se ver junto a mim e disse-me:
(2) "Minha pessoa está circundada por todas as obras que fazem as almas como por um vestido, e à medida da pureza de intenção e da intensidade do amor com o qual se fazem, assim me dão mais esplendor, e eu lhes darei mais glória, tanto que no dia do juízo as mostrarei a todo o mundo para fazer conhecer o modo como me honraram meus filhos e o modo como Eu os honro a eles".
(3) Então, tomando um ar mais aflito acrescentou:
(4) "Minha filha, o que será de tantas obras, mesmo boas, feitas sem reta intenção, por costume e com fins de interesse? Qual não será sua vergonha no dia do juízo, ao ver tantas boas obras em si mesmas, mas murchas por sua intenção, que em vez de dar-lhes honra como a tantos outros, as mesmas ações produzirão vergonha? Porque não são as grandes obras que olho, mas a intenção com a qual se fazem, aqui está toda a minha atenção".
(5) Por um momento Jesus fez silêncio e eu pensava nas palavras que tinha dito, e enquanto as estava ruminando em minha mente, especialmente sobre a pureza de intenção e como fazendo o bem às criaturas, as mesmas criaturas devem desaparecer, fazendo uma criatura com o mesmo Senhor, e fazendo como se as criaturas não existissem, Jesus voltou a falar dizendo-me:
(6) "No entanto, é esse o caso. Olhe, meu coração é grandíssimo, mas a porta é estreitíssima, ninguém pode preencher o vazio deste coração, senão só as almas desapegadas, nuas e simples, porque como você vê, sendo a porta pequena, qualquer impedimento, ainda mínimo, isto é, uma sombra de apego, de intenção errônea, uma obra sem o fim de me agradar, impede que entrem a deleitar-se em meu coração. O amor do próximo muito agrada ao meu coração, mas deve estar tão unido ao meu, que deve formar um só, sem poder distinguir-se um do outro; mas aquele outro amor ao próximo que não está transformado em meu amor, Eu não o olho como coisa que me pertença".

3-19
Dezembro 22, 1899

Como Deus nos atrai a amá-lo em três modos, e como em três modos se manifesta à alma.

(1) Esta manhã meu adorável Jesus não vinha. Depois de muito esperar e continuar esperando, apenas, quase como um raio que foge se deixou ver várias vezes, mas me parecia mais uma luz que a Jesus, e nesta luz uma voz que dizia a primeira vez que veio:
(2) "Eu te atraio a me amar em três modos: à força de benefícios, à força de atrações e à força de persuasões".

(3) Quem pode dizer quantas coisas compreendia nestas três palavras? Parecia-me que Jesus bendito, para atrair-se meu amor e também o das outras criaturas, faz chover benefícios em nosso favor, e vendo que esta chuva de benefícios não chega ao ponto de ganhar nosso amor, chega a fazer-se atrativo. E qual é essa atração? São as suas dores sofridas por nosso amor, até morrer jorrando sangue sobre uma cruz, onde se tornou tão atraente que apaixonou por Si os seus próprios carrascos e seus mais ferozes inimigos. Além disso, para nos atrair principalmente e tornar mais forte e estável o nosso amor, deixou-nos a luz dos seus santíssimos exemplos, unidos à sua celeste doutrina, e que como luz nos purificam as trevas desta vida e nos conduzem à eterna salvação.
(4) A segunda vez que veio me disse:
(5) "Eu me manifesto à alma em três modos diferentes: Com a potência com a notícia e com o amor. A potência é o Pai, a notícia é o Verbo, o amor é o Espírito Santo".

(6) Oh, quantas outras coisas compreendia! Mas muito escassa é o que sei manifestar. Parecia-me que com o poder se manifesta Deus à alma em tudo o criado, desde o primeiro ao último ser é manifestada a onipotência de Deus. O céu, as estrelas e todos os outros seres nos falam, embora em linguagem muda, de um Ente Supremo, de um Ser Incriado, de sua onipotência, porque o
homem mais instruído, com toda sua ciência não pode chegar a criar o mais vil mosquito, e isto nos diz que deve haver um Ser Incriado potentíssimo que criou tudo e dá vida e subsistência a todos os seres. Oh, como todo o universo a claras notas e com caracteres indeléveis nos fala de Deus e de sua onipotência! Então quem não vê é cego voluntário.
(7) Com a notícia, parecia-me que Jesus abençoado descendo do Céu veio pessoalmente à terra para nos dar a notícia do que para nós é invisível, e em quantos modos Ele não se manifestou?
Acredito que cada um, por si mesmo, compreenderá todo o resto, por isso não me alongo mais.

4-18
Outubro 12, 1900

Os inimigos mais poderosos do homem são: o amor aos prazeres, às riquezas e às honras.

(1) Continua vindo meu adorável Jesus; esta manhã trazia uma densa da coroa de espinhos; a tirei pouco a pouco e a pus em minha cabeça, e disse: "Senhor, ajuda-me a cravá-la".
(2) E Ele: "Desta vez quero que tu mesma a crave, quero ver o que saber fazer, e como queres sofrer por amor a mim".
(3) Eu a cravei muito bem, muito mais que se tratava de lhe fazer ver até onde chegava meu amor de sofrer por Ele, tanto que Ele mesmo, todo enternecido e estreitando-me disse:
(4) "Basta, basta, que meu coração não resiste mais o verte sofrer".
(5) E me deixando muito sofrida, meu amado Jesus não fazia outra coisa senão ir e vir. Depois disto tomou o aspecto de crucificado e me participou suas penas, e me disse:
(6) "Minha filha, os inimigos mais poderosos do homem são: o amor aos prazeres, às riquezas e às honras, que fazem infeliz ao homem, porque estes inimigos se introduzem até no coração e o roem continuamente, o amargam, o abatem, tanto, de fazer-lhe perder toda a felicidade, e eu sobre o Calvário derrotei estes três inimigos, e obtive graça para o homem de que pudesse vencê-los também ele, e restituí-lhe a felicidade perdida, mas o homem sempre ingrato rechaça minha graça e ama raivosamente estes inimigos, que colocam o coração humano em uma tortura contínua".
(7) Dito isto desapareceu e eu compreendia com tal clareza a verdade destas palavras, que sentia uma repugnância, um ódio para com estes inimigos.
(8) Seja sempre bendito o Senhor e tudo seja para sua glória.

5-19
Outubro 3, 1903

Jesus continua a sua Vida no mundo não só no Santíssimo Sacramento, mas também nas almas que se encontram em graça.

(1) Enquanto eu estava pensando na hora da Paixão, quando Jesus se despediu de sua Mãe para ir à morte e se abençoaram mutuamente, e estava oferecendo esta hora para reparar por aqueles que não abençoam em cada coisa o Senhor, mas o ofendem, para impedir todas as bênçãos que são necessárias para nos conservar na graça de Deus e para preencher o vazio da glória de Deus, como se todas as criaturas o abençoassem. Enquanto fazia isto, senti-o mover-se em meu interior, e dizia:
(2) "Minha filha, no ato de abençoar a minha Mãe tentei abençoar também a cada uma das criaturas em particular e em geral, de modo que tudo está abençoado por Mim: Os pensamentos, as palavras, os batimentos, os passos, os movimentos feitos por Mim, tudo, está avalizado com minha bênção. Também te digo que todo o bem que fazem as criaturas, tudo foi feito por minha Humanidade, para fazer que todo o obrar das criaturas fosse primeiro divinizado por Mim. Além disso, a minha vida continua ainda real e verdadeira no mundo, não só no Santíssimo Sacramento, mas também nas almas que se encontram na minha Graça, e sendo muito restrita a capacidade da criatura, não podendo tomar de uma só tudo o que eu fiz, faço de maneira que uma alma continue meus reparos, outra os louvores, alguma outra o agradecimento, alguma outra o zelo da saúde das almas, outra meus sofrimentos e assim de tudo o mais, e segundo me correspondam assim desenvolva minha vida nelas, assim que pense em que estreias e penas me põem, pois enquanto Eu quero obrar neles, eles não me fazem caso".
(3) Dito isto desapareceu, e eu encontrei-me em mim mesma.

6-18
Fevereiro 8, 1904

Uma das qualidades de Jesus é a dor. Para quem vive da sua Santíssima Vontade não existe o purgatório.

(1) Recordo que outro dia, continuando com meu sofrimento, via que o confessor rogava a Nosso Senhor que me tocasse onde eu sofria para acalmar-me os sofrimentos, e Jesus bendito me disse:
(2) "Minha filha, o teu confessor quer que te toque para aliviar as dores, mas entre tantas qualidades minhas Eu sou pura dor, e tocando-te, em vez de diminuir pode aumentar a dor, porque a minha Humanidade na coisa em que mais se deleitou foi na dor, e se deleita ainda em comunicá-lo a quem ama".

(3) E parecia que na realidade me tocava e me fazia sentir mais dor, então eu agreguei: "Doce bem meu, quanto a mim, não quero outra coisa que sua Santíssima Vontade, eu não olho nem se me dói, nem se gozo, senão que teu Querer é tudo para mim".
(4) E Ele acrescentou: E isto é o que Eu quero, e é a minha mira sobre ti, e isto me basta e me agrada, e é o culto maior, mais honrado que a criatura me pode fazer, e que me deve como a seu Criador, e a alma fazendo assim, pode-se dizer que sua mente vive e pensa em minha mente; seus olhos, encontrando-se nos meus, olham por meio de meus olhos; sua boca fala por meio de minha boca; seu coração ama por meio do meu; suas mãos operam em minhas mesmas mãos; os pés andam em meus pés, e eu posso dizer: "Tu és meu olho, minha boca, meu coração, minhas mãos e meus pés". E a alma pode dizer ao contrário: "Jesus Cristo é meu olho, minha boca, meu coração, minhas mãos e meus pés". E a alma encontrando-se nesta união, não só de vontade, mas pessoal, morrendo, nada lhe resta por purgar, e por isso o purgatório não pode tocá-la, porque o purgatório toca aqueles que vivem fora de Mim, em tudo, ou em parte".

7-20
Junho 15, 1906

Toda a Vida Divina recebe vida do amor.

(1) Depois de ter esperado muito, meu bendito Jesus veio como relâmpago e me disse:
(2) "Minha filha, toda a Vida Divina, pode-se dizer que recebe vida do amor: O amor a faz gerar, o amor a faz produzir, o amor a faz criar, o amor a faz conservar e dá contínua vida a todas suas operações, assim se não tivesse amor, não agiria e não teria vida. Agora, as criaturas não são outra coisa que faíscas saídas do grande fogo de amor Deus, e sua vida recebe vida e atitude de obrar desta faísca, assim que também a vida humana recebe vida do amor; mas nem todos se servem dela para amar, para obrar o belo, o bom, para todo o seu agir, mas transformando esta faísca usam-na: Quem para amar a si mesmo, quem às criaturas, quem às riquezas, e quem até às bestas, tudo isto com grande desagrado do seu Criador, que tendo feito sair estas faíscas de seu grande fogo, anela recebê-las todas de novo em Si, mas mais engrandecidas, como tantas outras imagens de sua Vida Divina. Poucos são aqueles que correspondem à imitação de seu Criador. Por isso amada minha ame-me e faça que também sua respiração seja um contínuo ato de amor para Mim, para fazer que desta faísca se possa formar um pequeno incêndio, e assim desafogar ao amor de seu Criador".

8-18
Novembro 21, 1907

Amor e união que há entre Criador e criatura.

(1) Continuando o meu estado habitual, estava a unir-me a Nosso Senhor, fazendo um só pensamento, o seu batimento cardíaco, a sua respiração e todos os seus movimentos com os meus, e punha a intenção de ir a todas as criaturas para dar a tudo isto, e, como estava unida a Jesus no jardim das oliveiras, dava também a todos e a cada um, e até às almas purgantes, todas as suas gotas de sangue, as suas orações, as suas penas e todo o bem que Ele fez, a fim de que todos os respiros, os movimentos, os batimentos das criaturas ficassem reparados, purificados, divinizados, e a fonte de todo o bem, que são as suas penas, fossem remédio para todos.
Enquanto fazia isto, o bendito Jesus dentro de mim disse-me:
(2) "Minha filha, com estas tuas intenções me feres continuamente, e como as fazes frequentemente, uma flecha não espera a outra e sempre fico ferido de novo".
(3) E eu disse: "Como pode ser possível que fique ferido e se esconda e me faça sofrer tanto em esperar sua vinda? Estas são as feridas, isto é o quanto você me ama?"
(4) E Ele: "Pelo contrário, não disse nada de tudo o que deveria dizer, e a própria alma não pode compreender, enquanto é viadora, todo o bem e o amor que corre entre as criaturas e o Criador, porque o seu agir, o falar, o sofrer, está tudo na minha Vida, porque só fazendo assim pode dispor para bem de todos. Só te digo que cada pensamento teu, batida e movimento, cada membro teu, qualquer osso teu sofredor, são tantas luzes que saem de ti, que tocando-me a Mim as difundo para bem de todos, e Eu te mando triplicadas tantas outras luzes de graça, e no Céu te darei de glória. Basta dizer que é tanta a união, a estreiteza que há, que o Criador é o órgão e a criatura o som; o Criador é o sol, a criatura os raios; o Criador a flor, a criatura o cheiro; pode estar o um sem o outro? Certamente que não. Você acha que não tenho conta de todo seu trabalho interno e de suas penas? Como posso esquecê-las se saem de mim mesmo, e são uma só coisa Comigo?
Acrescento ainda que cada vez que se faz memória de minha Paixão, sendo esta um tesouro exposto para bem de todos, é como se a alma colocasse este tesouro no banco para multiplicá-lo e distribuí-lo para bem de todos".

9-18
Outubro 14, 1909

Provas de que é Jesus quem vai a Luísa.

(1) Continuando o meu habitual estado, parecia-me encontrar nos meus braços o Menino Jesus; e de um se fizeram três, e eu sentia-me toda imersa neles. Depois, de manhã, quando o confessor veio, perguntou-me se Jesus tinha vindo, e eu disse-lhe como está escrito acima, sem acrescentar mais nada. Então o confessor me disse:

(2) "Não te disseram nada? Não compreendeste nada?
(3) E eu: "Não sei dizê-lo bem". E ele continuava a dizer-me:
(4) "Foi toda a Trindade, e não sabes dizer nada? Tornaste-te mais tola, vê-se que são sonhos".
(5) E eu: "Sim, é verdade que são sonhos". E continuou a dizer-me outras coisas, e enquanto o confessor falava eu senti-me apertada, forte pelos braços de Jesus, tanto de perder os sentidos, e Jesus me dizia:
(6) "Quem é que quer molestar a minha filha?"
(7) E eu: "O padre tem razão, porque eu não sei dizer nada; não têm nenhum sinal de que quem vem a mim seja Tu, Jesus Cristo". E Jesus continuou a dizer-me:
(8) "Eu faço contigo como faria o mar a uma pessoa que fosse atirar-se às profundezas dele. Eu te lanço toda em meu Ser, de modo que todos teus sentidos ficam inundados, e se quiser falar de minha imensidão, profundidade e altura, poderá dizer que era tanta que a vista se perdia; se quiser falar de minhas delícias, de minhas qualidades, poderá dizer que são tais e tantas, que tentavas abrir a boca para numera-las e ficavas afogada, e assim de tudo o demais. Além disso, como que nenhum sinal tenho dado de que sou Eu? Falso. Quem te manteve vinte e dois anos na cama, sem interrupções, e com plena calma e paciência? Foi talvez virtude deles, ou virtude minha? E os testes que fizeram durante os primeiros anos deste estado? E fazer-te ficar imóvel por 10, por 7, por 18 dias sem tomar nada dos alimentos necessários, eram talvez eles que te sustentavam, ou Eu?"
(9) Depois, havendo-me chamado o padre, voltei em mim mesma, e tendo celebrado a Santa Missa recebi a comunhão, e depois voltou Jesus, e eu lamentei com Ele porque não vinha como antes, que com tanto amor com que me amava me parecia frieza, é verdade que me lamentando contigo sempre me põe desculpas, que porque quer castigar e por isso não vem, mas eu não
acredito, quem sabe que mal há em minha alma e por isso é que não vem, ao menos diga-me, que a qualquer custo, mesmo que custe minha vida o tirarei, mas sem Ti não posso estar, pense o que queira, mas assim eu não posso seguir adiante, ou Contigo na terra, ou Contigo no Céu". E Jesus bendito, interrompendo o meu falar, disse-me:
(10) "Acalma-te, acalma-te, não estou longe de ti, estou sempre contigo; não me vês sempre, mas estou sempre contigo, mas estou no mais íntimo do teu coração para repousar, e conforme tu me procuras e com paciência toleras as minhas privações, assim circundas-me de flores para me aliviar e me fazer repousar mais pacífico".
(11) E enquanto dizia isto, parecia que em torno de Jesus havia tanta variedade de flores que quase o escondiam. Depois acrescentou:
(12) "Você não acha que é para punir o mundo que eu tenho privado de Mim, no entanto é assim.
Quando menos esperar você ouvirá coisas que acontecerão".
(13) E enquanto dizia isso me fazia ver no mundo guerras, revoluções contra a Igreja, igrejas incendiadas, e tudo parecia quase iminente.

10-19
Março 26, 1911

O único consolo que consola Jesus é o amor.

(1) Esta manhã, encontrando-me fora de mim mesma via a Celestial Mãe com o menino nos braços; o divino menino me chamou com sua pequena mãozinha, e eu voei para me pôr de joelhos diante da Mãe Rainha, e Jesus me disse:
(2) "Minha filha, hoje quero que fale com nossa Mãe".
(3) E eu disse: "Celestial Mãe, diz-me, há alguma coisa em mim que desagrade a Jesus?"
(4) E Ela: "Caríssima filha minha, fica tranquila, por agora não vejo nada que desagrade a meu Filho, se, jamais, chegar a incorrer em alguma coisa que possa desgostá-lo, rapidamente te avisarei, confia em tua Mãe e não temas".
(5) Como a Celestial Rainha me assegurava o anterior, me sentia infundir nova vida, e adicionei:
"Dulcíssima Mãe minha, em que tristes tempos estamos, diga-me, é verdade que Jesus quer as casas de reunião dos sacerdotes?"
(6) E Ela: "Certamente as quer, porque as ondas estão por elevar-se demasiado alto, e estas reuniões serão as âncoras, as lâmpadas, o comando com o qual a Igreja se salvará do naufrágio na tempestade, porque enquanto parecerá que a tempestade tenha submergido tudo, depois da tempestade se verá que permaneceram as âncoras, as lâmpadas, o comando, ou seja as coisas mais estáveis para continuar a vida da Igreja. Mas, oh! como são vis, covardes e duros de coração, quase nenhum se move enquanto são tempos de obras, os inimigos não descansam, e eles estão negligentemente, mas pior será para eles".
(7) Depois ele adicionou: "Minha filha, procura suprir tudo com o amor, uma só coisa te importa, amar, um só pensamento, uma só palavra, uma só vida, amor; se queres contentar e agradar a Jesus, ama-o e dá-lhe sempre ocasião de falar de amor, este é seu único consolo que o reconforta, o amor; lhe diga que te fale de amor e Ele se porá em festa".
(8) E eu: "Meu querido Jesus, ouves o que diz a nossa Mãe? Que te peça amor e que fales de amor".
(9) E Jesus festejando disse tais e tantas coisas da virtude, da altura, da nobreza do amor, que não me é dado saber dizê-lo com a minha linguagem humana, por isso melhor ponho ponto final.

11-21
Maio 30,1912
Para a alma que verdadeiramente ama a Jesus, não pode haver separação Dele.

(1) Continuando o meu estado habitual, sentia-me oprimida pela privação de meu sempre amável Jesus, e vindo me disse:
(2) "Minha filha, quando estiveres privada de Mim serve-te de minha mesma privação para duplicar, triplicar, centuplicar os atos de amor para Mim, de maneira a formar-te um ambiente, dentro e fora de ti, todo de amor, de maneira que neste ambiente me encontrarás mais belo e como renascido a nova vida, porque onde há amor ali estou Eu, e por isso para a alma que verdadeiramente me ama não pode haver separação, mas sim formamos uma mesma coisa, porque o amor parece que me cria, me dá vida, me alimenta, me faz crescer; no amor encontro meu centro e me sinto recriado, renascido, enquanto sou eterno, sem princípio e sem fim, mas isto é por causa da alma que me ama; me agrada tanto o amor que me sinto como refeito. Além disso, neste amor Eu encontro o meu verdadeiro repouso, repousa a minha inteligência na inteligência que me ama, repousa o meu coração, o meu desejo, as minhas mãos, os meus pés, no coração que me ama, no desejo que me ama e deseja só a Mim, nas mãos que agem por Mim, nos pés que caminham só por Mim, assim que parte por parte Eu vou repousando na alma que me ama, e a alma com seu amor me encontra em tudo e por toda parte, e se repousa toda em Mim, e em meu Amor fica renascida, embelezada e cresce em modo admirável em meu mesmo Amor".



18. Maria anuncia a José a maternidade de Isabel e confia a Deus a tarefa de justificar a sua.

25 de março de 1944.

Aparece-me agora a casinha de Nazaré, onde está Maria. Muito jovem, como quando o Anjo de Deus lhe apareceu, sua imagem faz minha alma encher-se do perfume virginal daquela morada e do perfume angélico, que ainda permanece no ambiente ventilado pelas asas douradas do anjo. É o perfume divino, que se concentrou em Maria, para lhe fazer mãe, e que agora exala de sua pessoa.
Começa a entardecer, porque as sombras invadem o ambiente de onde viera tanta luz do Paraíso.
Maria, de joelhos junto de sua pequena cama, está rezando com os braços cruzados sobre o peito, e com o rosto muito inclinado sobre a terra. Está ainda vestida, como estava no momento da Anunciação. Tudo está como naquele dia. O ramo florido ainda está no vaso, e os móveis na mesma ordem. Somente a roca e o fuso estão encostados em um canto, a roca com sua estriga de linho, e o fuso com seu alvo fio enrolado.
Maria termina sua oração, e se levanta, com o rosto abrasado, como que em chamas. Sua boca sorri, mas o pranto deixa os seus olhos molhados. Ela pega a candeia e a acende, com a pederneira. Olha se tudo está em ordem em seu pequeno aposento. Acerta a coberta da cama, que tinha saído do lugar. Põe mais água no vaso do ramo florido, e o leva para fora, a fim de que tome o frescor da noite.
Depois torna a entrar. Toma o bordado que está dobrado sobre um móvel da prateleira com o candeeiro e sai, fechando a porta.

Dá alguns passos pelo jardim e pelos lados da casa, depois entra no pequeno aposento, onde vi* Jesus se despedindo dela. Reconheço bem o lugar, ainda que estejam faltando agora alguns móveis que haverá naquele tempo. Maria desaparece, levando consigo o candeeiro para um outro pequeno quarto, e eu fico ali com a única companhia do trabalho que ela deixou sobre um canto da mesa. Ouço os passos ligeiros de Maria, que vai e vem, ouço o barulho de água, como o de quem está lavando alguma coisa, depois o barulho de quem está quebrando uns pequenos galhos, e compreendo que ela está acendendo fogo com uns gravetos.

Depois, volta. Sai de novo para o pequeno jardim. Torna a entrar com algumas maçãs e verduras.
Põe as maçãs sobre a mesa em uma bandeja de metal que parece ser cobre burilado. Volta para a cozinha (certamente deve ser a cozinha). Agora a luz da lareira está projetando-se alegre pela porta aberta, chegando até aqui dentro, e está produzindo uma dança de sombras nas paredes.
Algum tempo depois, Maria volta, com um pãozinho escuro e uma tigela de leite quente. Ela se assenta, e vai molhando fatias de pão no leite, e come devagar. Depois, deixando a metade da tigela com leite, entra de novo na cozinha, voltando com as verduras sobre as quais derrama azeite, e as come com pão. Depois bebe o leite. Em seguida, apanha uma maçã e come. É uma ceia de menina.
Maria vai comendo e pensando, e tem algum pensamento que a está fazendo sorrir.
Levanta-se, corre o olhar pelas paredes, parecendo querer comunicar a elas um segredo. Mas, de vez em quando, fica séria, quase triste. Contudo, logo em seguida volta o seu sorriso.

Ouve-se bater à porta. Maria se levanta e abre. José entra. Saúdam-se. José se assenta sobre um banco, em frente a Maria, do outro lado da mesa.
José é um belo homem, na plenitude dos seus trinta e cinco anos, quando muito. Seus cabelos castanho-escuros, e também sua barba da mesma cor, emolduram o seu rosto bastante regular, com dois doces olhos de um castanho quase preto. Ele tem a fronte espaçosa e lisa, nariz fino levemente aquilino, faces um tanto arredondadas, de cor morena não oliváceas, mas um pouco rosadas no centro. Ele não é muito alto. Mas é robusto e bem feito de corpo.
Antes de sentar-se, tirou o manto que é uma peça inteira (é o primeiro que vejo feito assim), presa à altura da garganta por um alfinete, ou coisa semelhante, e tem um capuz. É de cor marrom clara, e parece ser de tecido impermeável, lã não trabalhada. Parece um daqueles mantos dos montanheses,  próprio para chuva.

Mas, antes mesmo de sentar-se, ele oferece a Maria dois ovos e um cacho de uvas, um pouco murchas, mas ainda bem conservadas. Ele sorri, dizendo:
– Trouxeram-me estas uvas de Caná. O centurião me deu os ovos, por um trabalho que eu fiz em seu carro. O carro estava com uma roda quebrada, e o carpinteiro dele está doente. Os ovos são frescos.
Foram apanhados no ninho. Toma-os. Eles te farão bem.
– Amanhã os tomarei, José. Acabei de comer agora mesmo.
– Mas a uva podes chupar. É boa. Doce como mel. Eu a trouxe com cuidado para não estragá-la.
Chupa-as. Eu ainda tenho mais. Eu as trarei amanhã em um cestinho. Esta tarde eu não podia, porque estou vindo diretamente da casa do centurião.

– Então, não ceaste ainda?
– Não, mas não tem importância.
Maria se levanta logo, e vai para a cozinha, e volta com leite, azeitonas e queijo.
– Não tenho outra coisa – ela diz – Toma um ovo.
José não quer. Os ovos são para ela. Ele come com gosto o seu pão com queijo e bebe o leite, que ainda está morno. Depois aceita uma maçã. E termina a ceia.

Maria pega o seu bordado, depois de ter tirado as louças da mesa, e José a ajuda na cozinha, mesmo quando ela torna a sair. Estou ouvindo como ele se move, indo colocar cada
coisa em seu lugar. Depois, atiça de novo o fogo, porque a noite vai ser fria. Quando volta, Maria lhe agradece.

Conversam um com o outro. José conta como passou aquele dia. Fala de seus pequenos sobrinhos. Interessa-se pelos trabalhos de Maria e por suas flores. Promete trazer-lhe umas flores
muito bonitas que o centurião lhe prometeu.
– São flores que nós não temos por aqui. Trouxeram-lhe de Roma. Ele me prometeu mudas. E, quando a lua for boa, eu as plantarei para ti. Elas têm belas cores e um cheiro muito agradável. Eu as vi no verão passado, pois florescem no verão. Vão te perfumar toda a casa. Depois, quando a lua for boa, podarei as plantas. Logo é tempo para isso.
Maria sorri, e agradece. Ficam os dois em silêncio. José olha para a cabeça loira de Maria, que está inclinada para o bordado. É um olhar de amor angelical. Pois, certamente, se um anjo amasse uma mulher com amor de esposo, seria assim que a olharia.

Maria, como alguém que toma uma decisão, põe sobre os joelhos o bordado, e diz:
– José, eu também tenho uma coisa para te dizer: Nunca tenho nada, pois sabes como vivo retirada.
Mas hoje tenho para ti uma notícia. Tive notícia de que nossa parenta Isabel, mulher de Zacarias, está para ter um filho…
José arregala os olhos, e diz:
– Naquela idade?
– Naquela idade – responde Maria, sorrindo -. O Senhor tudo pode. E agora quis dar esta alegria à nossa parenta.
– Como ficaste sabendo disso? É notícia certa?
– Veio até aqui um mensageiro. É um que não pode mentir. Eu gostaria de ir à casa de Isabel para ajudá-la e dizer-lhe que me congratulo com ela. Se me deres licença…
– Maria, tu és a minha esposa, e eu sou o teu servo. Tudo o que fazes é bem feito. Quando gostarias de ir?
– Quanto antes. Mas ficarei fora alguns meses.
– E eu ficarei contando os dias, à tua espera. Vai tranqüila. Cuidarei da casa e do pomar.

Encontrarás na volta as tuas flores tão bonitas, como se tivesses cuidado delas. Só uma coisa…espera. Eu preciso ir, antes da Páscoa, a Jerusalém, comprar alguns objetos para o meu trabalho. Se esperares um ou dois dias, te acompanharei na viagem. Não mais, porque eu preciso voltar logo. Mas, daqui até lá, podemos ir juntos. Eu fico mais tranqüilo, quando sei que não estás sozinha pelas estradas. Para a tua volta, me mandarás notícia, e irei te buscar.
– És tão bom, José. O Senhor te recompense com as suas bênçãos, e mantenha a dor longe de ti. Peço isso sempre a Ele.

Os dois castos esposos sorriem angelicalmente um para o outro. Faz-se silêncio por algum tempo.
Depois, José se levanta. Torna a colocar o manto, puxa o capuz sobre a cabeça. Saúda Maria, que também se levanta, e sai.
Maria o fica olhando, enquanto ele caminha, e dá com um suspiro, como de pena. Depois, eleva os olhos para o céu. Certamente, está rezando. Fecha a porta com cuidado. Dobra o bordado. Vai à cozinha. Apaga, ou cobre o fogo. Olha se tudo está em seu lugar. Toma o candeeiro, e sai, fechando a porta. Com a mão faz um anteparo de proteção para a chama do candeeiro, que está tremendo pelo vento frio da noite. Entra no aposento, e vai rezar ainda.

A visão termina assim.
Maria diz:
“Querida filha, quando, depois de cessar o êxtase, que me havia enchido de inexprimível alegria, voltei ao uso dos sentidos nesta terra, o primeiro pensamento que tive foi José, pensamento pungente como um espinho de roseira, me feria o coração, enfaixado, há alguns instantes, pelas rosas do Divino Amor, meu Esposo.
Eu já o amava, este meu santo e previdente guarda. Desde quando a vontade de Deus, por meio da palavra de seu Sacerdote, me tinha querido desposada a José, eu já pudera conhecer e apreciar a santidade deste justo. Unida a ele eu tinha sentido que cessava aquela minha desorientação de órfã, e já não tinha mais saudade do meu tempo de asilada no Templo. Para mim ele era tão bom, como meu falecido pai. Junto dele eu me sentia segura, como junto ao Sacerdote. Toda minha titubeação havia cessado, e não só cessado, mas fìcado esquecida, de tal modo tranquilizava-me o coração de virgem, ao compreender que já não precisava mais titubear, pois não tinha que temer nada da parte de José. Mais segura do que um menino nos braços da mãe, assim estava a minha virgindade confiada a José.

Mas, e como dizer-lhe que eu era mãe? Eu procurava palavras para dizer-lhe isso, mas era uma tarefa árdua. Eu não queria louvar-me pelo dom de Deus, e não podia, de maneira alguma, justificar a minha maternidade, sem dizer: “O Senhor me amou mais do que todas as mulheres, e de mim, sua serva, me fez sua esposa”.
Enganá-lo, escondendo-lhe o meu estado, eu não queria também.
Mas, enquanto estava rezando, o Espírito, do qual eu estava plena, me disse: “Cala-te. Confia a Mim a tarefa de justificar-te perante o esposo”. Quando? Como? Estas coisas não lhe perguntei. Eu sempre me havia confiado a Deus, como uma flor na onda que a transporta. Nunca o Eterno me tinha feito ficar sem sua ajuda. Sua mão sempre me havia sustentado, protegido e guiado, até aqui.
E iria fazer tudo isso também agora.
Minha filha, como é bela e confortável a fé em nosso eterno e bom Deus! Ele nos acolhe em seus braços como em um berço, nos leva ao luminoso porto do Bem, como num barco, nos aquece o coração, nos consola, nos nutre, nos dá repouso e alegria, nos dá luz e guia. A confiança em Deus é tudo, pois Deus tudo dá a quem tem confiança Nele. Ele se dá até a Si mesmo.
Naquela tarde levei a minha confiança de criatura à perfeição. Agora, eu o podia fazer, porque Deus estava em mim. Antes, tinha tido a confiança de uma pobre criatura. Sempre um nada, mesmo sendo tão amada, a ponto de ser sem mácula. Mas agora eu tinha uma confiança divina, porque Deus era meu: meu Esposo, meu Filho! Oh! Que alegria! Ser uma com Deus! Não para a minha glória, mas para amá-lo com uma união total e poder dizer-lhe: “Tu, só Tu, que estás em mim, aperfeiçoa com tua divina perfeição tudo o que eu faço”.

Se Ele não me tivesse dito: “Cala-te”, talvez eu até tivesse ousado, com o rosto em terra, dizer a José: “O Espírito penetrou em mim, e em mim está a Semente de Deus”. Ele teria acreditado em
mim, porque me estimava e porque, como todos aqueles que não mentem nunca, ele acreditava que os outros também não lhe mentissem. Sim, contanto que eu não lhe causasse nenhuma dor no futuro, eu teria vencido a recusa de dar-me aquele louvor. Mas obedeci à ordem divina.
Durante muitos meses, a partir daquele momento, senti a primeira ferida em meu coração. Foi a primeira dor, na minha condição de co-redentora. Eu a ofereci e sofri para reparar e para dar-vos
uma norma de vida nos momentos de sofrimento, quando há necessidade de silêncio em relação a algum acontecimento que vos dé aparência de culpados, aos olhos de quem vos ama.
10Deixai a Deus a guarda do vosso bom nome e dos vossos interesses afetivos. Merecei com uma vida santa a tutela de Deus, e depois, caminhai tranqüilos.

Ainda que todo o mundo estiver contra vós, Ele vos defenderá junto a quem vos ama, e fará com que a verdade apareça.
Repousa agora, minha filha. E sê sempre mais minha filha”.

19. Maria e José dirigindo-se a Jerusalém.

27 de março de 1944.

Estou assistindo à partida deles para irem à casa da Santa Isabel.

José veio com dois burrinhos acinzentados para levar Maria: um para si próprio e o outro para Maria. Os dois animaizinhos estão selados com selas costumeiras; mas à sela de um deles foi acrescentado um instrumento muito especial, que depois descubro ter sido feito para levar carga: é uma espécie de porta-bagagem sobre o qual José pregou um pequeno cofre de madeira, digamos, um bauzinho, que ele trouxe a Maria, para que nele pudesse pôr as suas roupas, e a chuva não as molhasse.
Ouço Maria agradecer muito a José por este presente feito com tanta previdência, pois neste baú ela colocou tudo o que estava num pacote, que já havia preparado antes.

Fecham a porta da casa e põem-se a caminho. O dia já está perto de raiar, pois estou vendo a aurora cor-de-rosa, mas só do lado do Oriente. Nazaré ainda está dormindo. Os dois viajantes madrugadores encontram apenas um pastor, que toca para a frente as suas ovelhinhas; elas vão trotando e esbarrando umas nas outras, aqui e ali, encaixadas umas entre as outras, como se fossem cunhas, berrando sem parar. Os cordeirinhos também berram, e mais do que as ovelhas, com sua voz aguda e débil. Mesmo precisando ir para a frente, o que eles mais gostariam de fazer seria procurar as tetas da mãe. Mas as mães se apressam para chegar às pastagens, e os convidam, com seu balido mais forte, a trotar com elas.

Maria fica olhando, e sorri. Ela parou para deixar passar a manada, e se inclina sobre sua sela para acariciar os mansos animaizinhos, que vão passando rentes ao burrinho. Quando o pastor chega perto, levando nos braços um cordeirinho que acabou de nascer, pára perto de Maria para saudá-la; ela sorri, acariciando o focinho rosado do cordeirinho, que berra sem consolo, e lhe diz: “Está procurando a mamãe. Aqui está a mamãe. Ela não te deixa, não, pequenino”. De fato, a ovelha mãe vai roçar-se no pastor, e se levanta para lamber o focinho do seu filhote. A manada vai passando e fazendo barulho como o da chuva sobre as copas das árvores, deixando atrás de si a poeira levantada pelos casquinhos, que sobem e descem, deixando as marcas de suas pegadas no chão da estrada.

José e Maria retomam o caminho. José, com. seu manto grande, Maria, com uma espécie de xale listrado, pois a manhã está muito fria.

Ao chegarem no campo, Maria está perto de José. Pouco falam. José pensa em seus trabalhos, e Maria continua com seus pensamentos; recolhida como está, sorri aos pensamentos e às coisas quando, saindo um pouco daquela sua concentração, gira o olhar sobre tudo o que a rodeia. De vez em quando, olha para José, e um véu de seriedade e tristeza lhe ensombra o rosto. Depois, volta-lhe o sorriso, até mesmo ao olhar para este seu esposo, tão previdente, e de poucas palavras, mas que, quando fala, é para perguntar-lhe se tudo vai indo bem e se não está precisando de alguma coisa.
3Agora, as estradas já estão cheias de gente, especialmente nas vizinhanças  dos povoados, e dentro deles. Mas os dois não se preocupam com as pessoas que vão encontrando. Lá se vão eles sobre os seus burrinhos, que vão trotando com grande barulho dos guizos, e só vão parar uma vez, à sombra de um pequeno bosque, para comer um pouco de pão e azeitonas, beber água da fonte que desce de uma pequena gruta e, outra vez, para se protegerem de um violento aguaceiro, que desaba de repente, de uma nuvem muito escura.

Colocaram-se, então, ao abrigo do monte, debaixo da saliência de um penhasco, que os protege pelo menos da chuva mais forte. Mas José faz questão que Maria ponha o manto grande de lã
impermeável sobre o qual a água desliza sem molhá-la. Maria tem que ceder à desvelada insistência do seu esposo que, para tranqüiliza-la a respeito de sua própria situação, põe sobre a cabeça e sobre os ombros uma pequena manta cinzenta, que estava sobre a sela. Era a manta do burrinho, provavelmente. Agora, Maria vai indo, parecendo um fradezinho com um capuz, que lhe emoldura o rosto, e com o manto marrom, que se lhe fecha à altura da garganta, e a cobre de alto a baixo.
O aguaceiro diminui, mas se transforma numa chuva incômoda e fina. Os dois começam de novo a andar pela estrada, que agora está toda barrenta. Mas, como é primavera, depois de alguns minutos, o sol volta, para tornar mais cômoda a viagem. Também os dois burrinhos estão agora mais dispostos, batendo as patas sobre a estrada.
Não vejo nada mais, pois aqui cessa a visão.

MEDITAÇÃO
CAPITULO 15
A CONCEPÇÃO IMACULADA DE MARIA MÃE DE DEUS PELA VIRTUDE DO PODER DIVINO.

209. A divina Sabedoria já preparara tudo para fazer surgir a Mãe da graça ilesa da mancha que contaminava toda a natureza. Estava completo o número dos antigos patriarcas e profetas, e estabelecidos os altos montes sobre os quais seria edificada esta mística cidade de Deus (SI 86, 2).
Com o poder de sua destra, reservara incomparáveis tesouros de sua divindade para dotá-la e enriquecê-la. Para sua escolha, custódia e serviço, estavam designados mil anjos fidelíssimos à sua Rainha e Senhora. Preparou-lhe uma estirpe real e nobilíssima da qual descendesse, e escolheu-lhe pais perfeitíssimos dos quais diretamente nascesse. Se naquele século houvera melhores e mais idôneos, para serem pais daquela que o mesmo Deus escolhia por Mãe, os teria eleito o Altíssimo.

Preparação dos pais

210. Preparou-os com abundantes graças e bênçãos de sua destra, e os enriqueceu com todo o gênero de virtudes, luz da divina ciência e dons do Espírito Santo.

Depois de haver anunciado aos dois santos, Joaquim e Ana, que teriam uma filha admirável e bendita entre as mulheres, executou-se a primeira concepção, a do corpo puríssimo de Maria.
Quando se casaram tinha Sant Ana vinte e quatro anos e Joaquim quarenta e seis. Depois do matrimônio passaram vinte anos sem ter filhos, e assim no tempo da concepção da filha, contava a mãe quarenta e quatro anos, e o pai sessenta e seis.
Ainda que essa concepção realizou-se pela ordem comum das demais, a virtude do Altíssimo lhe tirou aparte imperfeita e desordenada. Deixou-lhe apenas o necessário para a natureza administrar a devida matéria à formação do corpo mais perfeito que jamais houve, nem poderá haver em pura criatura.

Natureza e graça na concepção de Maria

211. Moderou Deus a natureza dos pais e a graça antecipou-a, para que no ato não houvesse culpa nem imperfeição, mas virtude e merecimento. O modo foi o natural e comum, porém, controlado, corrigido e aperfeiçoado com a força da divina graça, para esta produzir seu efeito sem estorvo da natureza.
Na santíssima Ana resplandeceu mais a virtude do alto pela sua natural esterilidade. De sua parte, a cooperação foi milagrosa no modo e na substância mais pura, porque sem milagre não poderia conceber.
A concepção operada só pela ordem natural, não depende imediatamente de causas sobrenaturais, mas somente dos pais. Concorrem naturalmente para o efeito da propagação e também administram a matéria com imperfeição e sem medida determinada.

212. Nesta concepção, porém, ainda que o pai não fosse naturalmente infecundo, pela idade e temperança, já estava com a natureza corrigida e quase inativa. Por isto, foi pela divina virtude
animada, reparada e prevenida de modo que pôde agir de sua parte com toda perfeição e medida das potências, e proporcionalmente à esterilidade da mãe.
Em ambos cooperaram a natureza e a graça; aquela controlada e apenas indispensável e esta superabundante, poderosa, excessiva para sobrepujar a natureza, não a suprimindo, mas realçando-a e melhorando-a por modo milagroso.
Desta maneira foi notório que a graça tomara por sua conta esta concepção, servindo-se da natureza apenas o indispensável para que esta inefável filha tivesse pais naturais.
Santa¨Ana era estéril; concebeu por milagre.

213. O modo de superar a esterilidade da santa mãe Ana, não foi restituindo-lhe a natural capacidade que lhe faltava para conceber, para que assim restituída concebesse como as demais mulheres, sem diferença.
O Senhor agiu sobre a potência estéril de outro modo mais milagroso, para que administrasse a matéria natural da qual seria formado o corpo. A potência e a matéria foram naturais. Mas a maneira de agir foi por milagrosa intervenção da virtude divina. Cessando o milagre desta admirável concepção, permaneceu a mãe em sua antiga esterilidade para não conceber mais, porque nada foi tirado ou acrescentado à sua natural incapacidade.
Este milagre, parece-me, pode-se explicar por aquele que operou Cristo Senhor nosso (Mt 14,29) quando São Pedro andou sobre as águas. Para sustentá-lo, não foi necessário endurecê-las nem transformá-las em cristal ou gelo sobre o qual qualquer pessoa poderia andar, sem outro milagre do que o de endurecê-las.
Sem transformá-la em duro gelo, nelas agindo milagrosamente, pôde o Senhor fazer que sustentassem o corpo do Apóstolo.

Passado o milagre, as águas permaneceram líquidas como estavam antes enquanto São Pedro andava sobre elas, tanto que em certo momento começou a afundar-se. Isto prova que, sem alterar sua natureza, o milagre se operou mediante uma influência especial.

Na concepção de Maria a graça superou a natureza

214. Muito semelhante a este, ainda que mais admirável, o milagre de Ana, mãe de Maria Santíssima, conceber.
Foram seus pais dirigidos pela graça, tão abstraídos da concupiscência e deleite, que faltou aqui à culpa original o acidente imperfeito que ordinariamente acompanha a matéria ou instrumento pelo qual se comunica. Só existiu a matéria despida de imperfeição, sendo meritória a ação.
Por esta parte pôde bem resultar sem pecado esta concepção, tendo também a divina Providência assim determinado. Reservou o Altíssimo este milagre somente para Aquela que seria sua
digna Mãe. Sendo conveniente que, no essencial de sua concepção, fosse engendrada pela ordem dos demais filhos de Adão, foi devido e convenientíssimo que respeitada a natureza, com ela cooperasse a graça em toda a sua virtude e poder.
Em Maria a graça deveria ostentar-se mais eficaz do que em Adão e Eva e toda sua descendência, pois foram eles os causadores da corrupção da natureza com sua desordenada concupiscência.

Perfeição do corpo de Maria

215. Nesta formação do corpo Puríssimo de Maria, andou tão vigilante, ao nosso modo de ver, a sabedoria e o poder do Altíssimo, que o plasmou com exato peso e medida, na quantidade e qualidade dos quatro humores naturais: sangüíneo, melancólico, fleumático e colérico.
A proporção perfeitíssima desta compleição deveria ajudar, sem impedimentos, as operações da alma tão santa como a que animaria esse corpo.
Este milagroso temperamento foi depois, como o princípio e causa, em seu gênero, para a serenidade e paz que conservaram as faculdades da Rainha do céu durante toda a sua vida. Nenhum destes humores, lhe faria guerra nem contradição, nem predominaria sobre os outros, mas ajudavam-se e serviam-se reciprocamente, para a conservação daquele ordenadíssimo organismo, sem corrupção e deterioração alguma.
Jamais as sofreu o corpo de Maria Santíssima. Não lhe faltou nem lhe sobrou coisa alguma. Todas as qualidades e quantidades lhe foram sempre proporcionadas e justas, sem mais nem menos umidade ou secura do que a necessária para sua conservação; sem mais calor do que o bastante para sua defesa e combustão; sem mais frialdade do que a exigida para refrigerar e arejar os demais humores.

O corpo de Maria era extremamente sensível

216. Pelo fato de sua admirável constituição, não deixou este corpo de sentir as inclemências do calor, frio e demais influências dos astros. Por ser mais medido e perfeito, tanto mais sentia qualquer excesso contrário, por ter menos com que dele se defender. Ainda que em tão admirável compleição, os contrários achavam menos em que agir e alterar, contudo, pela sua delicadeza, era mais sensível no pouco, que outros corpos no muito Aquele milagroso corpo em formação no ventre de Sant'Ana, antes de ter alma não era capaz de dons espirituais, mas o era para os dons naturais. Estes lhe foram concedidos por ordem e virtude sobrenatural, com tais condições como convinham para o singular fim a que se ordenava aquela formação, superior a qualquer ordem da natureza e graça. Deste modo, lhe foram dadas compleição e potências tão excelentes que a natureza, só por si, jamais poderia formar outras semelhantes.

Maria, mais perfeita que Adão e Eva

217. Nossos primeiros pais, Adão e Eva, formados pela mão do Senhor com as condições convenientes a seu estado de inocência e justiça original, seriam superiores em excelência aos seus próprios descendentes, caso os tivessem naquele mesmo estado, porque as obras produzidas diretamente por Deus são mais perfeitas.
Semelhantemente, com mais excelente e superior modo, operou sua onipotência na formação do corpo virginal de Maria Santíssima. Empregou nele providência e graça tanto maiores quanto esta criatura excedia, não somente aos primeiros pais que tão logo haviam de pecar, mas ainda a todo o resto das criaturas corporais e espirituais.
Ao nosso modo de entender, pôs Deus maior atenção em compor aquele corpinho de sua Mãe, do que na criação de todos os orbes celestes e quanto eles encerram. Por esta regra se hão de começar a medir os dons e privilégios desta cidade de Deus, desde os primeiros alicerces e fundamentos sobre os quais começou a se elevar sua grandeza, até chegar a ser a mais próxima e imediata da infinidade do Altíssimo.

Isenção do pecado e de sua concupiscência

218. Esta miraculosa concepção esteve absolutamente inatingível ao pecado e à sua concupiscência. Não tocou a Autora da graça, sempre distinguida e tratada com esta dignidade. Além disso, seus pais ao concebê-la, receberam o controle da concupiscência para que ela não se excedesse. Não devia perturbar a natureza que, nesse caso, estava sujeita à graça e apenas servia de instrumento ao supremo Artífice, senhor das leis, tanto da natureza como da graça.
Assim, desde aquele momento, já começava a destruir o pecado e minar e abater a fortaleza daquele forte armado (Lc 11, 22), para derrubá-lo e despojá-lo do que tiranicamente usurpara.

Desenvolvimento do corpo de Maria até a infusão de sua alma

219. A primeira concepção do corpo de Maria Santíssima sucedeu num domingo, correspondente ao dia da criação dos anjos, de quem seria rainha, senhora, superior a todos.
Para a formação e crescimento dos demais corpos são necessários, segundo a ordem comum e natural, muitos dias para se organizarem e receberem a última disposição para neles ser infundida a alma racional. Dizem que para o sexo masculino se requerem quarenta e para o feminino oitenta, mais ou menos, conforme o calor natural e organismo das mães.
Na formação corporal de Maria Santíssima, a virtude divina apressou o tempo natural, e o que em oitenta dias, ou nos que naturalmente eram necessários, se havia de fazer, foi mais perfeitamente organizado em sete. Durante eles foi preparado aquele milagroso corpo, com o devido crescimento, no seio de Sant' Ana, para receber a alma santíssima de sua filha, Senhora e
Rainha nossa.

Criação da alma de Maria

220. No sábado seguinte a esta primeira concepção, fez-se a segunda, criando o Altíssimo a alma de sua Mãe e infundindo-a em seu corpo. Surgiu no mundo a pura criatura mais santa, perfeita
e agradável a seus olhos, de quantas criou e criará até o fim do mundo e por suas eternidades.
Empregou o Senhor misteriosa atenção em relacionar esta obra com a criação dos sete dias, referida no Gênesis.
Realizando aquele simbolismo, sem dúvida descansou, depois de haver criado a suprema criatura, com a qual dava princípio à Encarnação do Verbo e a redenção do gênero humano. Para Deus e para as demais criaturas, este dia foi festivo e de repouso.

A alma de Maria foi criada num sábado

221. Por causa deste mistério da concepção de Maria Santíssima, ordenou o Espírito Santo que na santa Igreja o sábado fosse consagrado à Virgem. Foi o dia em que lhe fez o maior benefício, criando sua alma santíssima reunindo-a ao corpo, sem resultar o pecado original nem efeito seu.
O dia de sua conceição celebrado hoje na Igreja, lembra não o da primeira conceição do corpo, mas o da segunda, a saber, a infusão da alma. Desde esta conceição até a Natividade, esteve nove meses exatos no seio de Sant'Ana.
Nos sete dias antes da infusão da alma, esteve só a matéria organizando-se e se dispondo pela virtude divina. Deste modo, a criação de Maria correspondeu à criação de todas as criaturas que formaram o mundo em seu princípio e vem narrada por Moisés (Gn 1,1).
O instante da criação e infusão da alma de Maria Santíssima, foi aquele no qual a beatíssima Trindade, com maior afeto de amor do que quando refere Moisés (Gn 1,26), disse aquelas palavras: - Façamos Maria à nossa imagem e semelhança, nossa verdadeira Filha e Esposa, para Mãe do Unigênito da substância do Pai.

Aparecimento de Maria, novo céu e nova terra

222. Com a força desta divina palavra e do amor com que procedeu da boca do Onipotente, foi criada e infundida no corpo de Maria Santíssima sua alma felicíssima. *
No mesmo instante encheu-a de graças e dons superiores aos dos mais altos serafins do céu, sem ter existido momento no qual se encontrasse despida ou privada do amor amizade e luz de seu Criador.
Não pôde tocá-la a mancha e obscuridade do pecado original, mas achou-se em perfeitíssima e suprema justiça, superior a de Adão e Eva ao serem criados.
Foi-lhe também concedido perfeitíssimo uso da razão, correspondente aos dons da graça que recebia, a fim de não ficarem um só instante inativos, mas para desde logo, produzirem admiráveis
atos de sumo agrado para seu Criador.
Na inteligência e luz deste grande mistério confesso-me absorta. Enquanto o coração, por minha incapacidade para explicá-lo se desfaz em afetos de admiração e louvor, minha língua emudece.

Vejo construída e enriquecida a verdadeira arca do testamento, colocada no templo de mãe estéril com mais glória que sua figurativa na casa de Obededon (2Rs 6,11-12), na de David e no templo de Salomão (3Rs 8,6).
Vejo edificado o altar no Sancta Sanctorum (Idem 6 a v . 16) onde será oferecido o primeiro sacrifício que vencerá e aplacará a Deus.
Vejo a natureza sair de sua ordem para ser ordenada. Vejo estabelecerem-se novas leis contra o pecado, não sendo observadas as comuns quer da culpa, quer da natureza, quer da mesma graça.
Começa a existência de novos céus e nova terra (Is 65, 17), sendo o primeiro deles o seio de uma humilde mulher.
Nele concentra sua atenção a Santíssima Trindade, assistem numerosos cortesãos do antigo céu e mil anjos são destinados para fazer guarda ao tesouro de um animado corpozinho, do tamanho de uma abelhinha.
*
Não se duvide da Imaculada Conceição

223. Nesta nova criação ouço ressoar com mais força aquela voz do Criado** ao dizer, comprazendo-se na obra de sua onipotência, que ela é muito boa (Gn 1,31).
Com humildade, aproxime-se desta maravilha a fraqueza humana. Confesse a grandeza do Criador e agradeça o novo benefício concedido a toda a linhagem humana recebendo sua Reparadora. Terminem já os indiscretos zelos e porfias, vencidos pela luz divina.
Se a bondade infinita de Deus, conforme me foi mostrado na conceição de sua Mãe Santíssima, olhou para o pecado original com ira e repugnância; se se gloriou de ter justa causa e oportuna ocasião para repeli-lo e vedar sua corrente; como à ignorância humana pode parecer bem o que a Deus foi tão aborrecível?

Efeitos em Sant'Ana

224. No momento de infundir a alma no corpo desta divina Senhora, quis o Senhor que Ana, sua santa mãe, sentisse de modo altíssimo a presença da divindade.
Cheia do Espírito Santo, repleta interiormente de júbilo e devoção superiores a suas forças ordinárias, foi arrebatada num soberano êxtase. Nele recebeu altíssimas inteligências de ocultos mistérios, e louvou ao Senhor com novos cânticos de alegria.
Estes efeitos lhe duraram até o fim da vida. Foram, todavia, maiores durante os nove meses que trouxe em seu seio o tesouro do céu. Durante este tempo, esses benefícios foram-lhe renovados mais freqüentemente e acompanhados pela inteligência das divinas Escrituras e de seus profundos mistérios. Ó mulher felicíssima!
Chamem-te bem-aventurada, e louvem-te todas as nações e gerações do mundo!



MEDITAÇÃO

A PARTIDA PARA O EXÍLIO. MISTÉRIO ESCONDIDO.

Chegada a hora determinada pelo Pai de minha partida para o Egito, estava já preparado para sofrer aquela tribulação, como também minha querida Mãe. Veio José, e tendo comunicado a revelação do anjo a sua esposa, partiram imediatamente com grande pressa, desprovidos de tudo. Oh! Dura partida! Mas realizada por eles com toda prontidão e resignação. No meio das angústias, tinha uma alegria grande, que eles ainda não possuíam por não poderem abranger o mistério ali oculto. Alegravam-se também eles naquela aflição por terem consigo o seu Jesus, que os tornava plenamente consolados. Alegrava-me por saber que à minha chegada ao Egito, deviam jogar-se por terra os ídolos e precipitar-se no inferno grande multidão de demônios, que ali eram adorados. Sabia ainda que os países por onde eu passaria, seriam repletos de bênçãos celestes. Tudo isto trazia-me regozijo muito grande Tanto mais por já saber que naquelas partes por onde eu andava, o Pai devia com o tempo ser honrado por uma multidão de almas penitentes, que seriam mártires de amor. Tudo isso trazia-me muito consolo. Oferecia este consolo ao Pai e suplicava-lhe se dignasse consolar as almas que padecem e se afadigam por sua glória, na salvação do próximo. E este consolo fosse fazê-los colher fruto de suas fadigas, convertendo as almas obstinadas e perversas, e reconduzindo-as ao verdadeiro estado de vida perfeita e à prática das virtudes cristãs. Na verdade, a maior consolação que pode ter alguém que se afadiga pela glória de meu Pai e pela salvação do próximo consiste em ver o fruto de suas canseiras: a conversão dos pecadores. Prometeu-me tudo isso o Pai, como de fato não deixa de fazer para com aqueles que verdadeiramente se empenham nesta obra tão grata a Ele e fazem-no desinteressados sem procurar a vanglória, mas só glória de meu Pai e o bem da alma do próximo. Quem se emprega-se e aproveita do fruto da própria fadiga reta, na vida conversão dos pecadores, e muito mais disto fruirá na presente, com a outra vida, com a glória eterna. Quem age, porém, com fim diverso, não usufrui nem de uma consolação, nem de outra. Via ainda que muitas  destas almas, empenhadas em ministério tão grato ao Pai, perderiam o mito ao fazerem esta obra por interesse próprio, por vaidade, para conquistarem crédito junto dos homens, ensoberbecendo-se devido aos seus talentos. Estas lançam suas fadigas ao vento, sem fruto algum para as almas, pois a palavra divina não produz efeito nos corações dos homens, se é explicada por um coração soberbo e com ânimo vão e ambicioso. Sentiam luz superior para conhecerem a própria loucura. Prometeu-me fazê-lo o pai de aflição por estes e podia ao Pai dar-lhes todo cumula a graça e dignasse polir querem se prevalecer disto e por isto prejudicam-se a si mesmos, querendo aderir ao amor próprio e não à luz e à graça que lhes é comunicada por meu Pai. Espalham em vão as próprias fadigas, ficam privados de qualquer mérito junto do Pai, usurpando a glória que, com toda razão, só ao Pai é devida. Como todo o bem vem e procede do Criador, a de Deus,  deve Pai para as obras de seu serviço e de sua maior glória. endereçar-se e não à criatura, simples instrumento do qual se serve meu manifestada pelo anjo, logo a querida Mãe e José, genuflexos, adoraram

EM VIAGEM.

Quando José participou seu sonho e a ordem dos decretos divinos. Estreitou-me ela a seu peito virginal, e puseram-se a caminho. Andavam louvando e bendizendo ao Pai e eu falava com Ele Entre os sofrimentos, alegrava-me muito ao ver essas almas tão prontas a seguirem as ordens de meu Pai e conformadas com sua vontade. Considerava-me, porém, naquela viagem, pobre, humilhado e sujeito ao furor de um Rei iníquo, que com tanto ardor procurava dar-me a morte. Oferecia tal abaixamento e submissão ao Pai, em desconto do que fazem meus irmãos os quais se ensoberbecem diante das ordens de seus maiores, não querendo submeter-se a quem devem, e tanto menos às ordens divinas, recusando sujeitarem-se à Lei de meu amado Pai, Lei de amor doce e suave. E vendo-me submisso às ordens e aos rigores de um Rei temporal, eles não se envergonham de levantar a cabeça e contradizerem às ordens divinas.

NOS BRAÇOS DE JOSÉ.

Caminhando assim de noite, em tempo rígido, sofria frio e outras incomodidades. Estava nos braços, ora da querida Mãe, ora de José — embora ele por pouco tempo me segurasse; ordenava-o à minha Mãe, quando o ânimo de José estava angustiado pelo sofrimento, cansaço e outras aflições provenientes da estação contrária. Ao receber-me nos braços, ficava inteiramente consolado e cheio de alegria. —Tinha tal caridade para com José, por ordem de meu Pai, porque não fazia coisa alguma sem o seu beneplácito. Nestas ocasiões suplicava ao Pai que fizesse também qualquer alma aflita por meu amor experimentar semelhante doçura, manifestando-se-lhe ao coração, por meio das consolações divinas, a fim de que com isto viesse a adquirir mais força e vigor no caminho da virtude que às vezes se torna um pouco áspero aos sentidos e causa tédio à fraca humanidade. O Pai prometeu-me fazê-lo e deveras não deixa de executá-lo, fazendo muitas vezes experimentarem consolos celestes, aqueles que caminham pela estrada das aflições e das cruzes, imitando-me. Quando ficava privada de mim, a querida Mãe achava-se inquieta de amor, pois não podia o seu coração amante suportar, nem por um só momento, a privação de seu tesouro. Estava, porém, toda conformada com a vontade divina. Eu, contudo, quando não estava em seus braços, fazia-a mo sentir que lhe falava ao coração e com palavras de amor ardente á confortava, e assim ficava de algum modo consolada.

ANSIAS E CANTOS.

Caminhando asso, porque a querida Mãe e seu esposo José assim pelo restante da noite, ao raiar o dia, apressavam mais o passo, receiavam muito ser detidos, e embora seguros, o amor que me dedicavam fazia-os tremer muito. Estando um tanto longe, deram algum alívio a seu cansaço e pondo-se ambos a mirar meu rosto ficaram plenamente consolados e contentes. Recomeçando a caminhada com maior pressa, pôs-se a querida Mãe a cantar hinos de louvor ao Pai eterno e a mim. Naquele canto paradisíaco jubilava a alma do casto José, e não percebia nem sentia a fadiga do caminhar. Alegrava-me também eu, esposa minha, ao ouvir aquele canto, que me estimulava a amor mais forte para com minha cara Mãe. E entre aqueles deleites parecia que voávamos, caminhando com ligeireza, como se fôssemos levados a vôo. Os anjos todos ficavam admirados e muito se regozijavam, especialmente os que faziam a corte a sua Rainha, vendo-a cantar tão suavemente. Oferecia esse prazer ao Pai e suplicava-lhe se dignasse fazer com que experimentassem semelhantes delícias, embora não do mesmo modo, todas as almas que se apressam pelo caminho do céu, a fim de não sentirem tanta labuta, nem se cansarem pelo caminho tão longo. E efetivamente, todas são bem consoladas e reconfortadas com visitas celestes, por meio da graça divina.

ALIMENTAM-SE.

Caía a tarde, e sentindo a necessidade de algum alimento, no meio do campo, sentados, procuravam dar-me algum conforto. Embora sentissem eles disso grande necessidade, quiseram, todavia, primeiro dar-me a mim o alimento. Aceitei o leite puríssimo da Mãe dileta, e um pouco confortado, comecei a repousar. Então, José tomou um pedaço de pão que trazia, reconfortando-se com a sua santa esposa. Durante este tempo, oferecia ao Pai o sofrimento e a extrema pobreza, em desconto das excessivas comodidades procuradas por meus irmãos. Pedi ao Pai que assim como Maria e José, antes de tomarem alimento para si, quiseram nutrir-me, fizesse que todos meus irmãos primeiro procurassem fazer as obras do serviço do meu Pai, e depois as que lhes fossem necessárias; antes pensassem em alimentar o espírito com as contemplações divinas e as obras santas, e em seguida cuidassem da manutenção do corpo. O Pai prometeu-me fazê-lo e dar a todos tantas graças quantas lhes fossem indispensáveis para poderem agir deste modo, e inspirar-lhes ao coração tão santas obras. Mas reconheci que as criaturas quase todas abusariam de tal graça, querendo a maior parte pensar antes no corpo do que na alma e nutrindo aquele, deixam a esta morrer de fome e largam para trás as obras de meu Paí, vivendo delas quase totalmente esquecidas. Sentia por causa disto grande pesar e oferecia-o ao Pai para suprir as falhas de todos os meus irmãos e especialmente daqueles que têm mais o dever de fazê-lo e não o fazem, porque têm mais conforto e por isso são mais obrigados. O Pai aceitava tudo com grande amor e mostrava-se muito satisfeito com minhas ofertas. Estando, pois, no meio de tão grande pobreza, no campo, desprovido de tudo, indigente de todo o necessário, dizia ao Pai: «Vede, dileto Pai, vosso amado Filho, a que estado de pobreza e sofrimento está reduzido para cumprir a vossa vontade e por amor de vossas criaturas! Eis-me, ó me todo a vós, querendo Pai dileto, pronto a sofrer ainda mais! Ofereço-fazer somente aquilo que quereis de mim. Aceitai, Pai meu, estes minhas ofertas e desejos, vos têm, em suplência do que deviam fazer os meus irmãos ingratos e não fazem por negligência e devido ao fraco amor que vos têm.

Estas súplicas agradavam muito ao Pai que se demonstrava pronto a fazer tudo o reclamava, mas fazia-me ver como a dureza do coração humano torna-se cada vez mais indigna das graças divinas. Não deixava, porém, o Pai de conceder-lhes a graça que então me prometeu e se esta não produz os efeitos próprios, o fato provém da malícia da criatura e não de que meu Pai tenha jamais falhado, nem de que não cumpra a promessa feita a mim.


PARTE 1
Parte 2
Parte 3

12-20
Setembro 28, 1917
Os atos feitos na Divina Vontade são sóis que iluminam a todos, e servirão para fazer que se salve quem tenha um pouco de boa vontade.

(1) Continuando o meu estado habitual, o meu doce Jesus disse-me:
(2) "Minha filha, as trevas são densas, e as criaturas precipitam-se cada vez mais; aliás, nestas trevas vão cavando o precipício onde perecerão. A mente do homem ficou cega, não tem mais luz para olhar o bem, senão só o mal, e o mal o inundará e o fará perecer, assim onde acreditava encontrar salvação, encontrará a morte. ¡ Ah, minha filha! Ah, minha filha!"
(3) Depois ele adicionou: "Os atos feitos em minha Vontade são como sóis que iluminam a todos, e enquanto dura o ato da criatura em minha Vontade, um sol de mais resplandece nas mentes cegas, e quem tem um pouco de boa vontade encontrará luz para salvar-se do precipício, os demais, todos perecerão, por isso nestes tempos de densas trevas, quanto bem fazem os atos da criatura feitos em minha Vontade, quem se salve será unicamente em virtude destes atos".
(4) Dito isto, foi retirado. Depois voltou de novo e acrescentou:
(5) "A alma que faz minha Vontade e vive nela, posso dizer que é minha carruagem e Eu tenho as rédeas de tudo; tenho as rédeas da mente, dos afetos, dos desejos, e nem sequer uma deixo em seu poder, e me sentando sobre seu coração para estar mais cômodo, meu domínio é completo e faço o que quero, agora faço correr a carruagem, agora a faço voar, agora me leva ao Céu, agora giro toda a terra, agora me detenho, oh, como sou glorioso, vitorioso e domino e impero! Se depois a alma não faz minha Vontade e vive do querer humano, a carruagem se desfaz, me tira as rédeas e Eu fico sem domínio, como um pobre rei expulso de seu reino, e o inimigo toma meu lugar, e as rédeas ficam em poder das próprias paixões".

13-18
Setembro 16, 1921

Jesus ao obrar formava nossas obras no Divino Querer.

(1) Estava fazendo a hora da Paixão quando meu doce Jesus se encontrava no palácio de Herodes vestido de louco, recebendo zombarias, e meu sempre amável Jesus, fazendo-se ver me disse:
(2) "Minha filha, não somente naquele momento fui vestido de louco, escarnecido e recebi zombaria, senão que as criaturas continuam me dando estas penas, mas bem estou sob contínuas zombarias e por toda classe de pessoas. Se uma pessoa se confessa e não mantém seus propósitos de não me ofender, é uma zombaria que me faz; se um sacerdote confessa, prega, administra Sacramentos, e sua vida não corresponde às palavras que diz e à dignidade dos Sacramentos que administra, tantas zombarias me faz por quantas palavras diz, por quantos Sacramentos administra; e enquanto Eu nos Sacramentos lhes dou a vida nova, eles me dão zombaria, zombaria, e ao profana-los me preparam a vestidura para me vestir de louco; se os superiores ordenam a seus inferiores sacrifícios, oração, virtude, desinteresse, e eles levam uma vida cômoda, viciosa, interessada, são tantas burlas que me fazem; Se as cabeças civis e eclesiásticas querem a observância das leis, e eles são os primeiros transgressores, são zombarias que me fazem. Oh, quantas provocações me fazem! São tantas que estou cansado delas, especialmente quando sob a aparência de bem põem o veneno do mal, oh! como fazem de Mim um jogo, como se Eu fosse seu brinquedo e seu passatempo, mas minha justiça cedo ou tarde zombará deles castigando-os severamente. Você reza e repreende-me por estas zombarias que tanto me doem, e que são a causa pela qual não posso fazer conhecer quem eu sou".
(3) Depois, tendo vindo novamente, e como eu estava Fundindo-me toda no Divino Querer, disse-me:
(4) "Filha queridíssima de meu Querer, Eu estou esperando com ânsia tuas fusões em minha Vontade; tu deves saber que conforme Eu pensava em minha Vontade, assim ia modelando teus pensamentos nela, preparando-lhes seu lugar; ao operar, modelava tuas obras em meu Querer, e assim de todo o resto. Agora, o que eu fazia não o fazia para Mim, porque não tinha necessidade, mas para ti, e por isso te espero em minha Vontade para que venhas a tomar os lugares que te preparou minha Humanidade, e sobre as obras que preparei vem fazer as tuas, e
então por isso estarei contente e receberei completa glória quando te ver fazer o que Eu fiz".

14-18
Abril 1, 1922

O momento mais humilhante da Paixão de Jesus foi o ser vestido e tratado como louco. Toda pena que Jesus sofreu, não era outra coisa que o eco das penas que mereciam as criaturas.

(1) Passo dias amargos pela privação do meu doce Jesus, e se ele se faz ver é quase como um raio que foge. Que pena! Que rasgo! Minha mente foi incomodada pelo pensamento de que não teria retornado mais minha Vida, meu Tudo. Ah, tudo para mim acabou! O que eu vou fazer para encontrá-lo de novo? A quem eu vou me dirigir? Ah! Ninguém se move a piedade de mim.
Enquanto isso e mais pensava, meu amável Jesus veio e me disse:
(2) "Pobre filha minha, pobre filha minha, quanto sofre, seu estado doloroso supera o mesmo estado das almas purgantes, porque se estas estão privadas de Mim, são as culpas com que se vêem sujas as que lhes impedem me ver e elas mesmas não ousam vir ante Mim, Porque diante da minha Santidade infinita não há pequeno defeito que possa resistir à minha presença; e se isto o permitisse, que estivessem imundas diante de mim, para elas seria o maior tormento, que superaria as mesmas penas do inferno. A maior tortura que poderia dar a uma alma, seria tê-la manchada ante Mim, e Eu para não torturá-la principalmente a deixo purgar primeiro e depois a admito em minha presença. Mas entre Eu e a pequena filha de meu Querer não são as culpas que me impedem de me fazer ver, é minha justiça que se interpõe entre Eu e ela, por isso sua pena de não me ver supera qualquer pena. Pobre filha, ânimo, tocou-te minha mesma sorte, como são terríveis as penas da justiça, e posso compartilhá-las só a quem vive em minha Vontade, porque se necessita uma força divina para sustentá-la, mas não temas, voltarei logo aos modos habituais. Deixa que os raios da justiça toquem as criaturas, também minha justiça deve fazer seu curso, tu não poderia sustentá-la toda e depois estarei contigo como antes. Mas apesar disso eu não te deixo, Eu também sei que você não pode ficar sem Mim, por isso eu estarei no fundo do seu coração e conversaremos juntos".
(3) Depois segui as horas da Paixão, e seguia meu doce Jesus no momento em que foi vestido e tratado como louco; minha mente se perdia neste mistério, e Jesus me disse:
(4) "Minha filha, o passo mais humilhante de minha Paixão foi propriamente este, o ser vestido e tratado como louco, cheguei a ser o brinquedo dos judeus, seu trapo; humilhação maior não poderia ter minha infinita sabedoria; porém era necessário que eu, Filho de Deus, sofresse esta pena. O homem pecando fica louco; loucura maior não pode dar-se, e de rei qual é, converte-se em escravo e brinquedo de vilíssimas paixões que o tiranizam, e mais que a um louco o acorrentam a seu capricho, lançando-o na lama e cobrindo-o com as coisas mais sujas. Oh! que grande loucura é o pecado, neste estado o homem jamais podia ser admitido diante da Majestade Suprema, por isso quis sofrer esta pena tão humilhante, para conseguir ao homem que saísse deste estado de loucura, oferecendo-me ao meu Pai Celestial para sofrer as penas que mereciam a sua loucura. Cada pena que sofri em minha Paixão não era outra coisa que o eco das penas que mereciam as criaturas; este eco ecoava em Mim e me submetia a penas, a desprezos, a zombarias e a todos os tormentos".

15-19
Abril 28, 1923
Luisa deve pisar a cabeça infernal. Viver no Divino Querer é o triunfo completo do Criador sobre a criatura. A finalidade principal da vinda de Jesus à terra foi que a Vontade Divina triunfe sobre a vontade humana.

(1) Sentia-me como imersa na luz interminável da eterna Vontade, e meu doce Jesus me disse:
(2) " Minha filha, minha Divindade não tem necessidade de obrar para fazer sair suas obras, basta só amá-las, assim que quero e faço; as obras maiores, mais belas, saem fora só com que as queira; em troca a criatura embora as quisesse, se não trabalha, não se move, nada faz. Agora, para quem faz seu meu Querer e vive nele como em sua própria morada, vem-lhe comunicado, quanto a criatura é possível, o mesmo poder".
(3) Enquanto dizia isto, sentia-me puxar para fora de mim mesma, e encontrava debaixo dos meus pés um feio monstro que se mordia todo pela raiva, e Jesus estando perto de mim acrescentou:
(4) "Assim como minha Virgem Mãe esmagou a cabeça da serpente infernal, assim quero que outra virgem, que deve ser a primeira possuidora da Vontade Suprema, esmague de novo aquela cabeça infernal, para esmagá-lo e enfraquecê-lo em modo de jogá-lo no inferno, a fim de que tenha pleno domínio sobre ele e não se aproxime a quem deve viver em meu Querer, por isso ponha seu pé sobre sua cabeça e Fixe-o".
(5) Eu, ousadamente o fiz, e aquele se mordia de mais e para não sentir meu contato se escondia nos mais obscuros abismos. Então Jesus disse:
(6) " Minha filha, tu acreditas que não é nada viver em meu Querer, não, não, mas sim o todo, é o cumprimento de todas as santidades, é o domínio absoluto de si mesmo, de suas paixões e de seus capitais inimigos, é o triunfo completo do Criador sobre a criatura, Então, se ela adere e eu a faço viver no meu querer, sem querer conhecer mais o seu querer, não tenho mais nada para querer da criatura, e ela não tem mais nada para me dar, todas as minhas ânsias estão cumpridas, realizados meus desígnios, não resta mais que nos fazer felizes mutuamente. É verdade que vim à terra para redimir o homem, mas minha finalidade principal foi que a Vontade Divina triunfasse sobre a vontade humana pondo de acordo estas duas vontades e fazer delas uma só, levando-a naquela Vontade de onde tinha saído. Era esta a principal ofensa que meu Pai Celestial recebeu do homem, e Eu devia ressarci-lo, de outra maneira não lhe teria dado plena satisfação. Mas para obter a primeira finalidade devo primeiro pôr fora a segunda, isto é, salvá-lo, dar-lhe a mão porque estava caído, lavá-lo da lama em que jazia; como eu poderia dizer vem a viver em meu Querer, se era horrível ao ver-se e estava sob a escravidão do inimigo infernal? Então, depois de ter obtido a segunda finalidade, quero pôr a salvo a primeira, que minha Vontade se faça na terra como no Céu, e o homem saído de minha Vontade reentre de novo nela, e para obter isto, dou a esta primeira criatura todos os meus méritos, todas as minhas obras, os passos, o meu coração palpitante, as minhas chagas, o meu sangue, toda a minha humanidade, para a dispor, para a preparar, para a fazer entrar na minha Vontade, porque primeiro deve tomar o fruto completo da minha Redenção, e como em triunfo entrar em posse do mar imenso da minha Suprema Vontade, não quero que entres como estranha mas como filha, não pobre mas rica, não feia mas bela, como se fosses outro Eu. Por isso quero concentrar toda minha Vida em você".
(7) E, enquanto isso dizia, saíam dEle como tantos mares que se derramavam sobre mim, e eu ficava dentro, abismada, e ao mesmo tempo um sol que expandia a sua luz, porque recebia o fruto completo da redenção, para poder dar o fruto completo do seu querer à criatura, era o Sol do Eterno Querer que festejava a entrada da vontade humana na sua.
(8) E Jesus: "Esta minha Vontade Divina cresceu como uma flor em minha Humanidade, a qual Eu transplantei do Céu ao verdadeiro Éden de minha Humanidade terrena; germinou em meu sangue, brotou de minhas chagas para fazer dela o dom maior à criatura, não queres recebê-lo?"
(9) E eu: "Sim".
(10) E Ele: "Quero transplantá-la em ti, ama-a e deves saber guardá-la".

16-22

30
Setembro 21, 1923
Provas da alma. Justiça que faz nela Nosso Senhor. O cerco da Divina Vontade e como é necessário olhar para dentro deste cerco.

(1) Sentia-me muito amarga pela privação do meu doce Jesus; parecia-me que tudo havia terminado, quase sem mais esperança de que voltasse a sua pequena e pobre exilada. O coração sentia-o ser desfeito pela dor, pensando que não poderia ver mais Aquele que havendo vivido junto comigo, formava minha mesma vida, e agora minha vida esta desaparecida e dividida em mim. Meu Jesus, como é que tão brutalmente me matas, sem Ti sinto as penas do inferno, que enquanto eu morro eu sou forçada a viver. Agora, enquanto eu estava neste estado tão doloroso, meu sempre amável Jesus se moveu em meu interior e tirando um braço me tem abraçado para me dar a vida e me disse:

(2) "Minha filha, o meu Querer quis fazer justiça por ti; isto era necessário para provar a tua fidelidade, porque em todas as minhas obras concorrem todos os meus atributos, e quando as gerações vejam tudo o que fiz em ti, surpreendidas dirão: Como não devia fazer tudo isto se tanto lhe deu?
Minha justiça fará ver as provas que te fez sofrer, e lhes dirá a eles: a fiz passar através do fogo de minha justiça e a encontrei fiel, por isso meu amor tem continuado seu curso". Além disso, saiba que o primeiro a fazer justiça de você foi o meu amor, quantas provas não te fez sofrer para estar seguro do teu amor? A segunda foi a cruz, que fez severa justiça de você, tanto, que meu Querer atraído por meu amor e por minha cruz quis descer em ti e fazer-te viver nele, mas também o meu Querer não quis ser menos que o meu amor e que minha cruz, e para estar seguro, ciumento se tem subtraído, fazendo-te justiça para ver se continuaste os teus voos no meu Querer sem Mim".
(3) Quando ouvi isto, disse: "Ah! Como podia eu seguir esses voos sem Ti? Faltava-me a luz, e se começava não terminava, porque não estava comigo aquele que me fazendo tudo presente me fazia agir por todos, fazendo-me ligar todas as relações entre o Criador e toda a Criação, a minha mente nadava no vazio sem encontrar ninguém; como podia fazê-los?"
(4) E Jesus: "Seu começo era fazer, e a dor de não poder terminar era cumprir. Por isso, ânimo e fidelidade são necessários; com um pouco de prova é sempre mais verdadeiro e seguro, e além disso, se não foi isentada nem sequer minha Rainha Mãe destas provas, você gostaria de ser você isentada?"
(5) Depois de algum tempo voltou de novo, e se fazia ver dentro de mim no meio de um círculo, sobre o qual convidava as almas a subir, para fazê-las caminhar sobre esse Círculo. Eu subia para nunca mais descer, e meu amável Jesus me disse:
(6) "Minha filha, este círculo é a minha Vontade Eterna, que abraça a grande roda da eternidade; tudo o que está dentro deste círculo não é outra coisa que tudo o que fez a minha Humanidade na Divina Vontade, para buscar que meu Querer se cumprisse como no Céu assim na terra, tudo está preparado e feito, não resta mais que abrir as portas e fazê-lo conhecer para fazer o homem tomar a possessão. De Mim foi dito quando eu vim à terra para redimir o homem, que teria sido a salvação e a ruína de muitos; assim se dirá também agora, que esta minha Vontade será ou de grande santidade, porque minha Vontade é de absoluta santidade, ou de ruína para muitos. Olhe, naquele círculo, enquanto se gira é necessário ver para dentro, jamais para fora, porque dentro está a luz, o conhecimento, a minha força e os meus actos como ajuda, alento e vida, para poder tomar a Vida de minha Vontade; fora não há nada disto, encontrarão as trevas e se precipitarão no abismo, por isso seja atenta, mantenha sempre fixa o olhar em meu Querer e você se encontrará com a plenitude da graça de viver em minha Vontade".

17-19
Outubro 17, 1924

Com quanto amor Deus cria as almas, como as faz crescer, como as cuida e se dá tudo a elas.

(1) Estava pensando com quanto amor Jesus nos ama, minha mente se perdia no amor eterno, e meu doce Jesus movendo-se em meu interior fazia-me ver em minha mente uma auréola de luz; dentro daquela auréola havia um Sol, e este Sol continha tantos raios por quantas criaturas existiam, cada uma delas tinha um raio todo para si, que lhe dava vida, luz, calor, força, crescimento, tudo o que era necessário para formar uma vida. Era deleitável ver como cada criatura estava unida a cada raio deste Sol, do qual havia saído, como um ramo à videira. E meu amável Jesus, enquanto minha mente se perdia nisto, me disse:.
(2) "Minha filha, olha com quanto amor amo a criatura, ela, antes de sair à luz do dia deste mundo já estava em meu seio, e ao fazê-la sair não a deixei, um raio de luz que contém minha Vida a segue para fornecer-lhe tudo o que é necessário para desenvolver esta Vida e, com que cuidado a faço crescer! Com quanto amor a rego! Eu mesmo me faço luz, calor, alimento, defesa, e quando termina seus dias no tempo, sobre o caminho do mesmo raio a retiro em meu seio para fazê-la expandir-se na pátria celestial. Meu amor se faz para a criatura mais que o sol que formei no céu azul, mas bem, o sol que criei para benefício da natureza humana não é outra coisa que a sombra de meu verdadeiro Sol, porque o sol da atmosfera não forma as plantas, nem lhes dá a água para que não sequem, nem dá todas as ajudas que são necessárias para que as plantas cresçam belas e fortes, e os homens, mesmo os cegos, possam gozar da sua luz, faz só o seu ofício de iluminar e aquecer e segue adiante, e se as plantas não são regadas não tem nada que fazer para comunicar-lhes seus efeitos, mas as seca a mais. Eu, que sou o verdadeiro Sol das almas, não as deixo nem de noite nem de dia, eu mesmo formo as almas, dou-lhes a água da minha graça para não as deixar secar, nutro-as com a luz das minhas verdades, fortifico-as com os meus exemplos, lhes dou o vento de minhas carícias para purificá-las, o orvalho de meus carismas para embeleza-las, as flechas de meu amor para aquecê-las, em suma, não há coisa que não faça por elas; Eu sou tudo para elas e ponho à disposição de cada uma toda minha Vida para seu bem, mas quanta ingratidão da parte das criaturas, parece que estão unidas como sarmentos à minha videira, não por amor mas por força, porque não podem prescindir de Mim e por isso crescem como sarmentos, que não recebendo todos os humores bons que contém a videira, crescem fracos, sem formar jamais uvas maduras, mas azedas, que amargam o meu gosto divino. Ah! se todos soubessem como amo suas almas, todos ficariam arrebatados pelo atrativo e a força de meu amor e me amariam de mais, por isso me ame você e seu amor se agrade tanto que me ame por todos"..

18-19
Janeiro 10, 1926
O caminho e o trabalho que faz a Divina Vontade em todas as coisas criadas para chegar à criatura, a fim de que ela ponha o último ponto para o seu cumprimento.

(1) Estava Fundindo-me no Santo Querer Divino, e a pequenez de minha mente se perdia nele, por todas partes e em tudo via-o sempre em ato de obrar em toda a Criação. Oh! como teria querido segui-lo para dar-lhe minha pequena correspondência de amor em tudo o que Ele operava, dar-lhe minha gratidão, minha adoração profunda, minha mesquinha companhia. Agora, enquanto eu pensava assim, meu adorável Jesus se moveu dentro de mim dizendo:.
(2) "Minha filha, minha Vontade está sempre em caminho nas coisas criadas para ir até a criatura, mas quem a completa? Quem põe o último ponto ao trabalho de minha Vontade? A criatura. Isto é, a criatura que toma todas as coisas criadas como cumprimento da minha Vontade; a minha Vontade faz o seu caminho na semente, faz com que a terra a receba, dando-lhe virtude de a fazer germinar e multiplicar-se; faz o seu caminho chamando à água para a regar, ao sol para a fecundar, ao vento para a purificar, ao frio para lhe fazer aprofundar as raízes, ao calor para a desenvolver e para a fazer chegar a justa maturação; depois dá virtude às máquinas para a colher, para a trilhar, para a moer, e assim poder dar-lhe substância de pão, E, chamando ao fogo para a cozer, leva-a à boca da criatura, para que dela coma e conserve a sua vida. Vê então quanto caminho e trabalho fez minha Vontade naquela semente, quantas coisas criadas chamou sobre essa semente para fazê-la chegar como pão à boca das criaturas. Agora, quem põe o último passo no caminho da minha Vontade e o cumprimento do último ato do meu Supremo Querer? Quem toma aquele pão e o come como portador do Divino Querer nele, e conforme come o pão, come meu Querer nele para aumentar as forças do corpo e da alma, para cumprir em todo a Divina Vontade. Pode-se dizer que a criatura é o centro do repouso ao qual a minha Vontade aspira em todos os caminhos e trabalhos que faz em todas as coisas criadas para chegar à criatura; e assim em todas as outras coisas criadas que servem ao homem, A minha vontade faz o seu caminho no mar e trabalha na multiplicação dos peixes; faz o seu caminho sobre a terra e multiplica plantas, animais e pássaros; faz o seu caminho nas esferas celestes para ter tudo debaixo dos seus olhos, para fazer com que nada lhe fuja e fazer-se pés, Mãos e coração para cada criatura, para dar a cada uma o fruto de suas inumeráveis colheitas; mas toda sua festa é somente por quem toma do seu como último ponto e cumprimento de seu Supremo Querer. Se não fosse por minha Vontade, que assim que se desprendeu seu Fiat, deixou-se em caminho em todas as coisas criadas para fazê-las chegar ao homem, a fim de que tivesse seu primeiro posto o Fiat Supremo em quem e para quem todas as coisas tinham sido criadas, e assim fosse o regulador e o ator da mesma vida da criatura - todas as coisas ficariam paralisadas, e como tantas pinturas nas quais não está a vida das coisas que representam; assim, pobre criatura, se minha Vontade se retirasse de fazer seu caminho em todas as coisas criadas, todas ficariam como pinturas, sem produzir mais o bem que cada coisa contém para o homem; por isso posso dizer que não são as coisas criadas que o servem, senão minha Vontade velada, escondida, que se faz servidora do homem. Não é então justo e o mais sagrado dever, que o homem olhe em todas as coisas a minha Suprema Vontade e a cumpra em tudo, e trocando serviço sirva Aquela que não desdenha servi-lo ainda nas mais pequenas coisas? E Eu me sinto como retribuído, pago por meu trabalho quando vejo que chegam ao homem e as toma como cumprimento de minha Vontade. E por isso faço festa, porque a finalidade de meu longo caminho nas coisas criadas obteve minha tentativa e o cumprimento de minha Vontade realizado na criatura. Acontece a minha Vontade como um ator, o qual deve expor sua cena ao público. " Pobrezinho! quantos trabalhos escondidos, quantos desvelos, quantos preparativos, quanto arte em seus próprios movimentos não prepara para colocar-se em atitude, agora de fazer sorrir o público, agora de fazê-lo chorar. Em todo este trabalho o ator não faz festa, ou melhor, transpira, cansa-se e cansa-se, e quando tudo lhe parece que já está preparado, prepara-se para chamar o público para ver a sua cena, e quanto mais pessoas vê, mais sente despontar no coração a alegria, quem sabe e talvez possa fazer uma bela festa, mas o verdadeiro cumprimento de sua festa é quando terminada a cena sente correr às mãos cheias as moedas de ouro e de prata em suas mãos, como aprovação e triunfo de sua cena; mas se em troca depois de tantos preparativos, prepara a mesa, toca e volta a tocar trombetas e nenhum se apresenta, ou pouca gente, que aos primeiros atos de sua cena o deixam só, pobrezinho, como sofre, e a esperança de sua festa se muda em luto. Quem tem sido o que tem amargurado tanto aquele pobre ator tão hábil e tão bom em fazer suas cenas? Ah! Pessoas ingratas que não quiseram nem ver as cenas daquele pobre ator. Tal é minha Vontade, que como hábil ator prepara as cenas mais belas para divertir o homem no teatro de toda a Criação, não para receber mas para dar: prepara as cenas de luz, das mais resplandecentes; as cenas de floração e de belezas, as mais deslumbrantes; as cenas de força no estrondo do trovão, no estouro do raio, no elevar-se das ondas e até nas alturas das montanhas mais altas; as cenas mais comovedoras da criança que chora, que treme entorpecido de frio; cenas dolorosas de sangue e trágicas, e até de morte em minha Paixão; nenhum ator por quanto hábil seja, pode me igualar na variedade de minhas cenas amorosas. Mas, ai de mim! quantos não olham minha Vontade em todas estas cenas e não tomam a substância do fruto que há nelas, e mudam em luto as festas que se preparava minha Vontade na Criação e na Redenção, por isso minha filha, não deixe que te escape nada, Todas as coisas como dom que te faz minha Vontade, sejam pequenas ou grandes, naturais ou sobrenaturais, amargas ou doces, faça que todas entrem em ti como dons e cumprimento de minha Vontade".

19-20
Maio 13, 1926
Imagens de quem trabalha para fins humanos e que trabalha para cumprir a Vontade Divina. Nosso Senhor é o batimento da Criação. A santidade está no cumprimento do próprio dever.

(1) Estava a fazer a minha adoração habitual ao meu crucificado Jesus, e enquanto rezava senti perto do meu doce Jesus, que pondo o braço no meu pescoço me estreitava forte a Si, e ao mesmo tempo fazia-me ver o meu último confessor defunto, parecia-me vê-lo pensativo, todo recolhido, mas sem dizer-me nada, meu Jesus olhou-o e disse-me:.
(2) "Minha filha, o teu confessor encontrou coisas grandes diante de Mim, porque quando empreendia um ofício, um empenho, não omitia nada para cumprir exatamente aquele ofício, era atentíssimo, fazia grandes sacrifícios, E, se fosse necessário, preparava-se ainda para pôr a sua própria vida, para fazer cumprir exatamente o seu ofício; temia que, se não agisse como convinha ao seu ofício nas obras que lhe tinham sido confiado, ele pudesse ser um obstáculo à mesma obra, isto significa que apreciava e dava o justo valor a minhas obras, e sua atenção atraía a graça que se necessitava para o desempenho de seu ofício; isto aparentemente não parece uma grande coisa, mas entretanto é tudo, porque quando alguém é chamado para um ofício, e cumpre os deveres que há naquele ofício, significa que o faz por Deus, e no cumprimento do próprio dever está a santidade. Então, se ele se apresentou diante de Mim com o cumprimento dos próprios deveres que lhe foram confiados, como não deveria retribuí-lo como ele merecia?".

(3) Agora, enquanto Jesus dizia isto, o confessor, como se concentrasse de mais num recolhimento mais profundo, em seu rosto se refletia a luz de Jesus, mas não me disse nem sequer uma palavra.
Então Jesus me disse:.
(4) "Minha filha, quando um sujeito ocupa um ofício e comete um engano, não está atento aos deveres que impõe seu ofício, pode fazer vir grandes males; supõe a um que tenha o ofício de juiz, de rei, de ministro, de prefeito, e comete um erro, ou não está atento aos próprios deveres de casa, pode fazer vir a ruína de famílias, de países e até de reinos inteiros; se aquele erro, aquela falta de atenção a fizesse uma pessoa particular que não ocupa aquele ofício, não levaria tanto mal, por isso as faltas nos ofícios pesam de mais e levam mais graves consequências, e quando eu chamo um confessor para lhe dar um ofício e neste ofício lhe confio uma obra minha, e não vejo nele a atenção nem o cumprimento dos próprios deveres que há naquele ofício, não lhe dou nem a graça necessária nem a luz suficiente para lhe fazer compreender toda a importância de minha obra, nem posso confiar nele, porque vejo que não aprecia a obra que lhe confiei. Minha filha, quem cumpre exatamente seu ofício, significa que o faz para cumprir minha Vontade; em troca quem o faz diversamente, significa que o faz por fins humanos, e se você soubesse a diferença que há entre um e o outro".
(5) Enquanto estava ali, via duas pessoas diante de mim, uma que ia recolhendo pedras, trapos velhos, ferros enferrujados, pedaços de gesso, coisas todas de grande peso e de pouquíssimo valor; pobrezinho, padecia, cansava-se, suava sob o peso daquelas porcarias, muito mais que não lhe davam o necessário para tirar a fome. O outro ia recolhendo granitos de brilhantes, pequenas gemas e pedras preciosas; todas elas coisas leves mas de valor incalculável, e meu doce Jesus acrescentou:.
(6) "Aquele que vai recolhendo porcarias é a imagem de quem trabalha por fins humanos; o homem carrega sempre o peso da matéria. O outro é a imagem de quem obra para cumprir a Vontade Divina; que diferença entre um e o outro, os granitos de diamante são minhas verdades, os conhecimentos de minha Vontade, que recolhidos pela alma formam tantos brilhantes para si.
Agora, se se perde ou não se recolhe alguma dessas coisas sem valor, não fará quase nenhum dano, mas se se perde ou não se recolhe um daqueles granitos de brilhantes, fará muito dano, porque são de valor incalculável e pesam quanto pode pesar um Deus; e se se perde por causa de quem tem o ofício de recolhê-los, que contas dará ele, tendo feito perder um grão de valor infinito que podia fazer quem sabe quanto bem às outras criaturas?".
(7) Depois disto, o meu doce Jesus colocava o seu coração em mim e fazia-me sentir o seu bater, dizendo-me:.
(8) "Minha filha, Eu sou o batimento de toda a Criação, se faltasse meu coração faltaria a vida a todas as coisas criadas. Agora, Eu amo tanto a quem vive em minha Vontade, que não sei estar sem ela, e a quero junto comigo para fazer o que faço Eu, por isso você palpitarás junto Comigo, e entre tantas prerrogativas que te darei, te darei a prerrogativa do batimento de toda a Criação; no respirar está a vida, o movimento, o calor, assim que estará junto Comigo para dar a vida, o movimento e o calor a tudo".
(9) Mas enquanto dizia isso, eu sentia que me movia e palpitava em todas as coisas criadas, e Jesus adicionou:.
(10) "Quem vive em minha Vontade é inseparável de Mim, e Eu não sei estar sem sua companhia, não quero estar isolado, porque a companhia torna mais agradáveis, mais deleitáveis, mais belas as obras que se sustentam, por isso sua companhia é-me necessária para romper meu isolamento em que as outras criaturas me deixam"..

20-19
Novembro 2, 1926

Ocultamento dos próprios atos nos atos da Celestial Mamãe, e como a suprem. A Redenção servirá não mais como alimento aos doentes, mas como alimento aos sãos.

(1) Continuava meu viver no Fiat Divino, e enquanto fazia meus atos nele absorvia luz, a qual formando reflexos saíam outros tantos fios de luz, que formavam uma rede de luz que se estendia
sobre a terra para tomar as criaturas, e Jesus movendo-se em meu interior me disse:
(2) "Minha filha, cada vez que gira em meu Querer, tanto mais luz toma para formar a rede para capturar as criaturas, e você sabe qual é esta rede? São os meus conhecimentos. Por mais verdades que eu te manifeste sobre o Fiat Eterno, tanto mais disponho e expandi a rede para capturar as almas que devem viver em meu reino, e isto dispõe o Senhor a dá-las. Quando gira em
nossa Vontade, seus atos em virtude d‟Ela se tornam luz e se ampliam tanto, que tocam a Divindade e atraem outras luzes de verdades em meio às criaturas”.
(3) Depois, enquanto continuava meu giro em tudo o que foi feito no Querer Supremo, cheguei a tudo o que tinha feito minha Mãe Celestial n‟Ele e lhe dizia: "Soberana Senhora, venho esconder
meu pequeno amor no grande mar de seu amor, minha adoração a Deus no imenso oceano da sua adoração, meus agradecimentos os escondo no mar dos seus, minhas súplicas, meus suspiros, minhas lágrimas e penas as escondo no mar das suas, a fim de que o meu e o teu mar de amor sejam um só, a minha adoração e a tua sejam uma só, os meus agradecimentos adquiram a grandeza dos teus limites, as minhas súplicas, lágrimas e penas se tornem um só mar com o teu, a fim de que também eu tenha os meus mares de amor, de adoração, etc., a fim de que assim como tua Alteza Soberana conseguiu com estes ao suspirado Redentor, assim também eu me apresento com todos estes mares diante da Majestade Divina para pedir-lhe, para rogar-lhe insistentemente o reino do Fiat Supremo. Mãe, Rainha minha, devo servir-me de tua mesma via, de teus mesmos mares de amor e de agradecimento para vencê-lo e fazê-lo ceder seu reino sobre a terra, como o venceu Tu para fazer descer ao Verbo Eterno. Tu não queres ajudar a tua pequena filha, dando-me os teus mares para que possa obter que em breve venha o reino do Fiat Supremo sobre a terra?"
Agora, enquanto isso fazia e dizia, pensava em mim: "Minha Mãe Celestial não se ocupou, nem teve tanto interesse no Reino do Fiat Supremo, que logo viesse a reinar na terra, teve interesse do suspirado Redentor e o obteve, e do Fiat Divino que era mais necessário e que devia pôr a perfeita ordem entre Criador e criatura não se ocupou, enquanto cabia a Ela, como Rainha e Mãe, pôr em paz a vontade humana e a Divina, a fim de que reinasse com seu pleno triunfo". Enquanto estava nisto, o meu sempre amável Jesus saiu de dentro de mim e disse-me todo bondade:
(4) "Minha filha, a missão de minha inseparável Mãe era para o suspirado Redentor e a cumpriu perfeitamente; mas você deve saber que tudo o que fizemos, tanto Eu como Ela, a substância, a
fonte, a causa primária era o Reino de minha Vontade. Mas como para que viesse este Reino era necessário primeiro a Redenção, enquanto em nossos atos, para dentro estava o Reino do Fiat,
para fora deles estávamos todos atentos e ocupados no Reino da Redenção. Em troca sua missão é exclusivamente para o Reino do Supremo Querer, e tudo o que fizemos a Soberana Rainha e Eu está a sua disposição para te ajudar, para te substituir, para te dar acesso junto à Divina Majestade para implorar e pedir incessantemente que venha o Reino do Eterno Fiat. Tu para receber o bem do suspirado Redentor deverias ter feito tua parte, mas não estando tu naquele tempo minha Mãe te supriu, agora tu deves supri-la em sua parte para o Reino de meu Querer; assim a Mãe supriu à filha e a filha supre à Mãe. Muito mais do que a Rainha do Céu foi a primeira filha da minha Vontade, e como sempre viveu nos nossos confins, formou-se seus mares de  amor, de graças, de adoração, de luz. Agora, sendo você a segunda filha de meu Querer, o que é seu é teu, porque sua Mãe te tem como seu parto e goza de que sua filha esteja em seus mesmos mares para fazê-los implorar o tão suspirado Reino do Fiat Divino sobre a terra. Assim, veja como sua Mãe tão amplamente te supre, dando-te tudo o que é seu, mas bem se sente honrada de que seus imensos mares te sirvam para te fazer conseguir um Reino tão santo".
(5) Depois disto estava seguindo no Querer Divino o que Jesus fez na Redenção, e meu doce Jesus retornando acrescentou:
(6) "Minha filha, minha Redenção veio como remédio do homem e por isso serve como remédio, como medicamento, como alimento aos enfermos, aos cegos, aos mudos, a todas as espécies de enfermidades, e como estão doentes não tomam gosto nem recebem toda a força que contêm todos os remédios que vim trazer para o seu bem; o Sacramento Eucarístico que o deixei como alimento para lhes dar perfeita saúde, muitos o comem e comem e se veem sempre doentes.
Pobre alimento de minha própria Vida escondida sob os véus dos acidentes do pão, quantos paladares corruptos, quantos estômagos indigestos que lhes impede sentir gosto de meu alimento e não digerem toda a força de minha Vida Sacramental, e por isso ficam doentes, e como são membros com febre no mal, tomam-no sem apetite. Por isso suspiro tanto que venha o Reino do Fiat Supremo, porque então tudo o que Eu fiz quando vim à terra servirá como alimento àqueles que gozarão perfeita saúde. Qual não é a diferença entre um doente que toma o mesmo alimento e
outra pessoa que goza de perfeita saúde? O enfermo o toma sem apetite, sem gosto, e lhe serve para se manter e para não morrer; o são o toma com apetite, e como o prova toma demais e se
conserva forte e são. Então, qual não será a minha alegria em ver que no Reino do meu querer tudo o que eu fiz servirá não mais como alimento aos enfermos, mas como alimento aos filhos do
meu Reino, que estarão todos cheios de vigor e de perfeita saúde? Em vez de possuir a minha Vontade, possuirão a minha Vida permanente neles mesmos, como a possuem os bem-aventurados no Céu, de modo que a minha Vontade será o véu que esconderá a minha Vida neles, e assim como os bem-aventurados enquanto me possuem dentro deles como vida própria, porque a verdadeira felicidade tem princípio no interior da alma, por isso a felicidade que recebem continuamente da Divindade, dá a mão, o beijo, à felicidade que possuem dentro e por isso são plenamente felizes; assim a alma que possui minha Vontade terá minha Vida perene nela, que lhe servirá de alimento contínuo, não uma vez por dia como o alimento da minha Vida Sacramental, porque a minha Vontade fará mais alívio, não se contentará em dar-se uma vez por dia, mas se dará continuamente, porque sabe que têm paladares puros e estômagos fortes para saborear e digerir em cada momento a força, a luz, a Vida Divina; e os Sacramentos, minha Vida Sacramental, servirão como alimento, como deleite, como nova felicidade à Vida do Fiat Supremo que possuirão.

O Reino de meu Querer será o verdadeiro eco da Pátria Celestial, que enquanto os bem-aventurados possuem como vida própria a seu Deus, recebem-no também de fora deles mesmos, assim que dentro e fora deles, Vida Divina possuem e Vida Divina recebem. Qual não será a minha felicidade ao dar-me Sacramentado aos filhos do Fiat Eterno e encontrar neles a minha própria Vida? Então se terá o fruto completo da minha Vida Sacramental, e ao consumir-se as espécies não terei mais a dor de deixar meus filhos sem o alimento da minha Vida contínua, porque minha
Vontade, mais que acidentes Sacramentais manterá sua Vida Divina sempre com sua plena posse.
No reino de meu Querer não haverá nem alimento, nem comunhão interrompida, mas sim perenes, e tudo o que Eu fiz na Redenção lhes servirá não mais de remédio, mas sim de deleite, de alegria, de felicidade e de beleza sempre crescente. Assim que o triunfo do Fiat Supremo dará o fruto completo ao reino da Redenção".

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Volume 1 - Livro do céu - Diário da Serva de Deus Luisa Piccarreta

31 Dias  - Orações diárias  - Giros da Alma  - 24 Horas Paixão   - Biografia Luisa  - Canal Vídeos  - Página Facebook  -  Rodada Páscoa a...