ESCOLA DA DIVINA VONTADE-VIGÉSIMA NOVA SEMANA DE ESTUDOS


VOLUME 1

A Santa Missa. Que coisa é a Missa.

(204) Agora, enquanto via Jesus ou o sacerdote que celebrava o Divino Sacrifício, Jesus me fazia
entender que na missa está todo o fundamento de nossa sacrossanta religião. Ah! Sim, a missa
nos diz tudo e nos fala de tudo. A Missa recorda-nos a nossa Redenção, fala-nos detalhadamente
das penas que Jesus sofreu por nós, manifesta-nos também o seu Amor imenso que não ficou
contente por morrer na cruz, mas quis continuar o estado de vítima na Santíssima Eucaristia. A
missa também nos diz que nossos corpos desfeitos, reduzidos a cinzas pela morte, ressurgirão no
dia do juízo junto com Cristo à vida imortal e gloriosa. Jesus me fazia compreender que a coisa
mais consoladora para um cristão e os mistérios mais altos e sublimes de nossa santa religião são:
Jesus no Sacramento e a ressurreição de nossos corpos à glória. São mistérios profundos que só
os compreenderemos além das estrelas. Mas Jesus no Sacramento faz-nos quase tocar com a
mão em vários modos: em primeiro lugar a sua Ressurreição, em segundo o seu estado de
aniquilamento sob aquelas espécies, mas também é verdade que está nelas vivo e verdadeiro,
mas consumidas essas espécies, sua real presença não existe mais; depois, consagradas as
espécies de novo, Jesus adquire novamente seu estado Sacramental. Assim, Jesus no
Sacramento nos recorda a ressurreição de nossos corpos à glória, e assim como Jesus, cessando
seu estado Sacramentado reside no seio de Deus, seu Pai, assim nós, cessando nossa vida,
nossas almas vão fazer sua morada no Céu, no seio de Deus, e nossos corpos ficam consumidos,
assim que se pode dizer que não existem mais, mas depois com um prodígio da Onipotência de
Deus, nossos corpos adquirirão nova vida, e unindo-se com a alma irão juntos a gozar a bem-
aventurança eterna. Pode-se dar coisa mais consoladora para o coração humano, que não só a
alma, mas também o corpo deve agradar aos eternos contentamentos? A mim me parece que
naquele grande dia acontecerá como quando o céu está estrelado e sai o sol, o que acontece? O
sol, com sua imensa luz absorve as estrelas e as faz desaparecer, mas as estrelas existem. O sol é
Deus e todas as almas bem-aventuradas são estrelas, Deus com a sua imensa luz nos absorverá a
todos em Si, de modo que existiremos em Deus e nadaremos no mar imenso de Deus. ¡ Oh,
quantas coisas Jesus nos diz no Sacramento! Mas quem pode dizê-las todas? Certamente me
estenderia demasiado, se o Senhor o permitir reservarei para outra ocasião dizer alguma outra
coisa.

2-38
Junho 19, 1899

Quem se faz desaparecer a si mesmo, jamais comete pecados.

(1) Tendo passado ontem uma jornada de purgatório pela privação quase total de meu sumo
Bem, e pelas tantas tentações que me punha o demônio, me parecia que cometia muitos
pecados.  Oh Deus, que pena ofender a Deus!
(2) Esta manhã, assim que vi Jesus, rapidamente lhe disse: "Jesus bom, perdoa-me os tantos

pecados que fiz ontem". E queria dizer-lhe o mal que sentia que tinha feito. Ele, interrompendo-
me, disse-me:

(3) "Se te fizeres desaparecer a ti mesma, não cometerás pecados jamais".
(4) Eu queria continuar falando, mas Jesus me fazendo ver muitas almas devotas e mostrando
que não queria ouvir o que queria dizer, continuou dizendo:
(5) "O que mais me desagrada nestas almas é a instabilidade em fazer o bem, basta uma
pequena coisa, um desgosto, mesmo um defeito, enquanto é então o tempo mais necessário
para estreitar-se a Mim, estas em troca, irritam-se, incomodam-se e deixam a metade o bem
começado. Quantas vezes eu preparei obrigado para dar-lhes, mas vendo-os tão instáveis, fui
obrigado a retê-los".
(6) Depois, sabendo que não queria saber nada do que queria lhe dizer e vendo que meu
confessor estava um pouco mal no corpo, orei longamente por ele, e fazia a Jesus várias
perguntas que não é necessário dizer aqui. E Jesus, benignamente, respondeu-me a tudo e
assim terminou.

3-31
Janeiro 27, 1900

A ordem das virtudes na alma.

(1) Continuo a ficar quase privada do meu doce Jesus, a minha vida desfalece pela dor, sinto um
tédio, um aborrecimento, um cansaço da vida. Ia dizendo em meu interior: "Oh, como se estendeu
meu exílio! Que felicidade seria a minha se pudesse desatar as ataduras deste corpo e assim
minha alma empreenderia livre o vôo para meu sumo Bem!" Então um pensamento me disse: "E se
você for ao inferno?" E eu, para não chamar o demónio a combater-me, logo o rejeitei dizendo:
"Pois bem, também do inferno enviarei os meus suspiros ao meu doce Jesus, também ali quero
amá-lo". Enquanto eu estava nestes e outros pensamentos, que seria muito longa a história se eu
os dissesse todos, o amável Jesus por pouco tempo fez-se ver, mas com um aspecto sério, e
disse-me:
(2) "Ainda não chegou o teu tempo".
(3) Depois, com uma luz intelectual me fazia compreender que na alma tudo deve estar arrumado.
A alma possui muitos pequenos apartamentos onde cada virtude toma seu lugar, e se bem se pode
dizer que uma só virtude contém em si todas as demais, e que a alma possuindo uma só, é
cortejada por todas as outras virtudes; mas apesar disso todas são distintas entre elas, tanto, que
cada uma tem seu lugar na alma, e eis que todas as virtudes têm seu princípio no mistério da
Santíssima Trindade, que enquanto é Uma, são Três Pessoas distintas, e enquanto são Três são
Uma. Compreendia também que estes apartamentos na alma, ou estão cheios de virtude ou do
vício oposto àquela virtude, e se não está nem a virtude nem o vício, ficam vazios. Parecia-me
como uma casa que contém muitos quartos, todos vazios, ou uma cheia de serpentes, outra de
lama, outra cheia de alguns móveis cobertos de pó, outra escura. Ah Senhor, só Você pode pôr em
ordem minha pobre alma!

4-33
Novembro 16, 1900

Jesus tira-lhe o coração, e dá-lhe o seu amor por coração.

(1) Esta manhã, tendo recebido a comunhão, o meu adorável Jesus fazia ver todo o meu interior

cheio de flores, como se fosse uma cabana, e a Ele que estava dentro, a divertir-se e a satisfazer-
se de tudo. Eu, vendo-o nessa atitude, disse-lhe: "Meu dulcíssimo Jesus, quando tomará este meu

coração para uniformizá-lo todo ao teu, de modo que possa viver da vida do teu coração?"
Enquanto dizia isto, meu sumo e único bem tomou uma lança e me abriu a parte que corresponde
ao coração; depois com suas mãos o tirou e olhava tudo para ver se estava despojado, e tinha as
qualidades para poder estar em seu santíssimo coração. Também eu o olhei, e com minha
surpresa vi impressa em uma parte a cruz, a esponja e a coroa de espinhos, mas querendo vê-lo
pela outra parte e por dentro porque parecia inchado, como se pudesse abrir-se, meu amado Jesus
me impediu dizendo:
(2) "Quero mortificar-te não deixando-te ver tudo o que derramei neste coração. Ah, sim, aqui,
dentro deste coração estão todos os tesouros de minhas graças, que humana natureza pode
chegar a conter".
(3) Naquele momento, encerrou-o em seu santíssimo coração, acrescentando:
(4) "Teu coração tomou posse em meu coração, e Eu por coração te dou meu amor, que te dará
vida".
(5) E, aproximando-se daquela parte, mandou três suspiros contendo luz, que tomavam o lugar do
coração, e depois fechou a ferida, dizendo:
(6) "Agora mais que nunca te convém fixar-te no centro de meu Querer, tendo por coração só meu
amor; nem sequer por um só instante deves sair Dele, e meu amor só encontrará em ti o seu
verdadeiro alimento, se encontrar em ti, em tudo e por tudo, a minha Vontade, nela encontrará a
sua satisfação e a verdadeira e fiel correspondência".
(7) E, aproximando-se da boca, mandou-me mais três suspiros, e, ao mesmo tempo, derramou um
doce licor que me embriagava. Então, como levado por entusiasmo dizia:
(8) "Olha, teu coração está no meu, assim que não é mais teu".
(9) E me beijava e me voltava a beijar, e me fazia mil finezas de amor; mas quem pode dizê-las
todas? Parece-me impossível manifestá-las. Quem pode dizer o que sentia ao encontrar-me em
mim mesma? Só sei dizer que me sentia como se não fosse mais eu, sem paixões, sem
inclinações, sem desejos, toda abismada em Deus; na parte do coração sentia um frio sensível em
comparação com as outras partes.

+ + + + +

4-34
Novembro 18, 1900

A união do coração com o de Jesus faz passar
ao estado de perfeita consumação.

(1) Jesus continua a ter o meu coração no seu coração, e de vez em quando se digne fazer-me ver
isso, fazendo festa como se tivesse feito uma grande aquisição, e nestes dias encontrando-me fora
de mim mesma, na parte que corresponde ao coração, em vez do coração vejo a luz que o bendito
Jesus me enviou naqueles três respiros. Depois, esta manhã, ao vir, mostrando-me o seu coração,
disse-me:
(2) "Amada minha, qual queres, o meu coração ou o teu? Se queres o meu, vais sofrer mais; mas
deves saber que fiz isto para te fazer passar a outro estado, porque quando se chega à união se
passa a outro estado, que é o da consumação, e a alma para passar a este estado de perfeita
consumação, tem necessidade, ou do meu coração para viver, ou do seu todo transformado no
meu, de outra maneira não pode passar a este estado de consumação".
(3) E eu tremendo toda respondi: "Doce amor meu, minha vontade não é mais minha senão tua, faz
o que queiras e eu estarei mais contente". Depois disto lembrei-me de algumas dificuldades do
confessor, e Jesus vendo meu pensamento me fez ver como se eu estivesse dentro de um cristal,
e este impedia fazer ver aos demais o que o Senhor operava em mim, e adicionei:
(4) "Você só conhece o cristal e o que ele contém dentro, para os reflexos de luz; assim é para
você, quem traz a luz da crença vai tocar com a mão o que Eu faço em você, se não, você vai
perceber as coisas naturalmente".

+ + + +

4-35
Novembro 20, 1900

Devendo viver do coração de Jesus, Ele lhe dá regras
para aprender um viver mais perfeito.

(1) Encontrando-me fora de mim mesma, meu adorável Jesus continua a fazer-me ver meu
coração no seu, mas tão transformado que não reconheço mais qual é o meu e qual é o de Jesus.
Ele se conformou perfeitamente com o seu, imprimiu-lhe todas as insígnias da Paixão, fazendo-me
entender que seu coração, desde que foi concebido, foi concebido com estas insígnias da Paixão,
tanto que o que sofreu no último de sua vida foi um transbordamento do que seu coração havia
sofrido continuamente. Pareceu-me vê-los como um assim o outro. Parecia-me ver o meu amado
Jesus ocupado em preparar o lugar onde devia pôr o coração, perfumando-o e adornando-o com
tantas flores diversas, e enquanto isso fazia me disse:
(2) "Amada minha, devendo viver do meu coração te convém empreender um modo de viver mais
perfeito, por isso quero de ti:
(3) 1o Uniformidade perfeita à minha Vontade, porque jamais poderás amar-me perfeitamente até
que me ames com a minha mesma Vontade; melhor te digo que amando-me com a minha mesma
Vontade, chegarás a amar-me a Mim e ao próximo com o meu mesmo modo de amar.
(4) 2o Humildade profunda, pondo-te diante de Mim e das criaturas como a última de todas.
(5) 3o Pureza em tudo, porque qualquer mínima falta de pureza, tanto no amar como no agir, tudo
se reflete no coração, e este fica manchado, por isso quero que a pureza seja como o orvalho
sobre as flores ao despontar do sol, no qual se refletem os raios, transmuta essas pequenas gotas
como em tantas pérolas preciosas que encantam as pessoas. Assim todas suas obras,
pensamentos e palavras, batidas e afetos, desejos e inclinações, se adornadas pelo orvalho
celestial da pureza, tecerá um doce encanto não só aos olhos humanos, mas a todo o Empíreo.
(6) 4o A obediência vai unida com minha Vontade, porque se esta virtude se refere aos superiores
que te dei na terra, minha Vontade é obediência que se refere a Mim diretamente, tanto que se
pode dizer que a uma e a outra, ambas são virtude de obediência, com esta única diferença, que
uma se refere a Deus e a outra se refere aos homens, as duas têm o mesmo valor e não pode
estar uma sem a outra, pelo que às duas as deve amar da mesma forma".
(7) Depois acrescentou: "Deves saber que de agora em diante viverás com meu coração, e deves
entendê-lo a modo de meu coração, para encontrar em ti minhas complacências, por isso te
recomendo, porque não é mais teu coração, senão meu coração".

+ + + +

4-36
Novembro 22, 1900

Jesus coloca-se no lugar do coração de Luisa.
Diz-lhe o alimento que quer dela.

(1) Continua a fazer-se ver meu adorável Jesus. Esta manhã, tendo recebido a comunhão, via-o

dentro de mim, e os dois corações tão fundidos que pareciam um, e o meu dulcíssimo Jesus disse-
me:

(2) "Hoje decidi dar-te em lugar do coração, a Mim mesmo".
(3) Naquele momento vi que Jesus tomava lugar naquele ponto onde está o coração, e de dentro
de Jesus recebia a respiração e sentia o batimento do coração; como me sentia feliz vivendo desta
maneira.
(4) Depois disto acrescentou: "Tendo eu tomado o lugar do coração, convém-te ter um alimento
sempre preparado para me nutrir, o alimento será meu Querer, e tudo o que te mortificarás e do
que te privarás por amor meu".
(5) Mas quem pode dizer tudo o que em meu interior passou entre Jesus e eu, creio que é melhor
calar-me, de outra maneira sinto como se o estragasse. Com a minha língua não adestrada para
falar de graças tão grandes que o Senhor fez à minha alma, não me resta outra coisa que
agradecer ao Senhor que tem consideração de uma alma tão miserável e pecadora.

9-30
Março 12 1910
A Divina Vontade aperfeiçoa o amor, o modifica, o restringe, o engrandece no que é mais santo e perfeito.

(1) Encontrando-me no meu habitual estado, apenas e como fugitivo veio o bendito Jesus e me
disse:
(2) "Minha filha, minha Vontade aperfeiçoa o amor, o modifica, o restringe, o engrandece no que é
mais santo e perfeito. O amor às vezes gostaria de escapar e devorar tudo; minha Vontade domina
o amor e lhe diz: "Calma, não escapes, pois fugindo te podes fazer mal, e com querer devorar tudo
podes falhar". Portanto, o amor é puro porque é uniforme ao meu Querer, caminham juntos e se
beijam continuamente com o beijo de paz. Outras vezes, por estado de ânimo ou porque em suas
escapadas não resultou como ele queria, gostaria de restringir-se e quase indolentemente sentar-
se; minha Vontade o incita e lhe diz: "Caminha, os verdadeiros amantes não são negligentes, não
estão ociosos".
O amor só está seguro quando está encerrado no meu Querer, assim que o amor
faz apreciar, desejar, chegar à loucura, aos excessos; mas minha Vontade modera, tranquiliza o
mesmo amor, e nutre de alimento mais sólido e divino a alma amante. Assim que no amor pode
haver muitas imperfeições, e também nas coisas santas; em minha Vontade jamais, tudo nela é
perfeito. Minha filha, isto acontece especialmente nas almas amantes e que foram favorecidas com
minhas visitas, com meus beijos e carícias, que ficam em poder do amor, e quando Eu as privo de
Mim o amor se apossa delas e as faz ansiosas, delirantes, livres, inquietas, impacientes, assim que
se não fosse por minha Vontade que as nutre, as aquieta, as calma, as corrobora, o amor lhes
daria a morte, se bem o amor não é outra coisa que o filho primogênito de minha Vontade, mas
precisa estar sempre corrigido por meu Querer; e Eu a amo tanto quanto me amo a mim mesmo".

10-31
Outubro 11, 1911

O verdadeiro amor está na união dos quereres. Jesus não sabe negar nada a quem o ama.

(1) Continua meu sempre amável Jesus vindo por pouco tempo, mas sempre com o refrão de fazer
que aconteçam tragédias, e não só isso, mas de fazer invadir a Itália por pessoas estrangeiras. Se
isto acontecer, grandes ai! haverá para a Itália. Então dizia a Jesus: "A guerra, as guerras, os
terremotos, as cidades destruídas, e agora queres acrescentar também isto, queres adentrar-te
demasiado, mas quem poderá resistir?"
(2) E Jesus: "Ah, minha filha, é necessário, é necessário. Tu não compreendes bem a que
excessos chegou o homem, e de todas as classes, sacerdotes, religiosos, quem os purgará? Não é
bom servir-me de estrangeiros para purificar todas as coisas e fazê-los baixar a cabeça arrogante e
soberba?
(3) E eu: "Não o podes fazer, pelo menos isto de fazer vir os estrangeiros, vencerei-te com o meu
amor, mas que digo! Antes com o teu amor. Não disseste Tu mesmo que não sabes negar nada a
quem te ama?"
(4) E Jesus: "Queres vencer-me? Parece que me queres combater, mas não sabes que o
verdadeiro amor está na união dos quereres?"
(5) E eu me animando mais disse: "Certo, em tudo unida com teu Querer, mas não nisto, aqui entra
o dano aos outros, combateremos mas não vencerás".
(6) E Jesus: “Bravo, bravo, queres combater Comigo".
(7) E eu: "Melhor lutar Contigo do que com qualquer outro, porque Tu só és o bom, o santo, o
amável, que tomas cuidado de teus filhos".
(8) E Jesus: "Vem um pouco junto Comigo, vamos ver".
(9) E eu: "Não quero ir, não me queres dar nada, o que vou fazer?" Mas depois fomos embora e
quem pode dizer os males que se viam e as razões pelas quais Jesus quer quase destruir-nos?
São tantos que não sei por onde começar, por isso é melhor pôr ponto.

11-33
Agosto 28,1912
O amor é o que transforma a alma em Deus, e quer encontrar as almas desocupadas de tudo.

(1) Continuando o meu estado habitual, assim que veio o meu sempre amável Jesus disse-me:
(2) "Minha filha, as outras virtudes, por quanto altas e sublimes sejam, fazem sempre distinguir a
criatura e o Criador, só o amor é o que transforma a alma em Deus e a forma uma só coisa com
Ele. Assim, só o amor é o que triunfa sobre todas as imperfeições humanas, o único que
consome o que impede que a alma chegue a tomar Vida Divina em Deus. Mas não pode haver
verdadeiro amor se não receber vida, alimento de minha Vontade, assim que minha Vontade
unida ao amor é a que forma a verdadeira transformação Comigo, pois a alma está em contínuo
contato com minha Potência, com minha Santidade e com tudo o que Eu sou, Então pode dizer
que é outro Eu. Tudo é precioso, tudo é santidade para aquela alma; pode-se dizer que seu
respiro, o contato com a terra que pisa é precioso, é santo, porque não são outra coisa que
efeitos de meu querer".
(3) Depois acrescentou: "Oh! Se todos conhecessem meu Amor e meu Querer, deixariam de se
apoiar em si mesmos, e muito mais nos demais, os apoios humanos terminariam. Oh! como os
encontrariam insignificantes, dolorosos, incômodos, todos se apoiariam somente em meu Amor,
porque sendo espírito puríssimo, não contendo matéria, se encontrariam muito a gosto apoiados
em Mim, e os efeitos queridos por eles.
(4) Minha filha, o Amor quer encontrar as almas libertadas de tudo, de outra maneira não pode
vesti-las com o vestido do amor, sucederia como a alguém que querendo colocar um vestido o
encontre cheio de estorvos por dentro, portanto não o pode pôr, quer tirar um braço e encontra
um estorvo, assim que o pobrezinho, ou deve deixar de tentar ou faz o ridículo. Assim o Amor,
quando quer vestir a alma de Si, se não encontra a alma desterrada de todo, amargado se
retira.



A Visita de Zacarias. Santidade e José e obediência aos sacerdotes.

8 de junho de 1944.

Vejo o longo salão onde vi o encontro dos Magos com Jesus e a adoração deles ao Menino. Compreendo que estou na casa hospitaleira em que foi acolhida a sagrada Família. E é aí que assisto à chegada de Zacarias. Isabel não veio com ele. A dona da casa vai lá fora correndo, até a varanda, ao encontro do hóspede que está chegando, e o conduz junto a uma porta, onde bate. Depois, discretamente, se retira. José abre a porta, e solta uma exclamação de júbilo, ao ver Zacarias. Ele o faz entrar em um quarto pequeno como um corredor.

-Maria está dando de mamar ao Menino. Espera um pouco. Assenta-te, que deves estar cansado.

José arranja lugar para o hóspede sobre sua pobre cama, assentando-se também ao seu lado. Ouço que José lhe pergunta sobre o pequeno João. Zacarias, lhe responde:

- Está crescendo, viçoso como um potrinho. Mas agora sofre um pouco por causa dos dentes. Por isso não quisemos traze-lo. Está fazendo muito frio. Isabel também não veio por este motivo. Ela não podia deixar o menino sem leite. Ficou muito triste. Ias está tão forte a estação! Muito forte, de fato, responde José. Homem, que me mandastes disse-me que estáveis sem casa, Menino nasceu. Sabe-se lá quanto tereis sofrido. em verdade. Mas o nosso medo era maior do que o incômodo. Tínhamos medo que prejudicasse o Menino.
Nos primeiros dias tivemos que ficar sem casa, mas não faltou nada para nós, porque os pastores levaram a boa nova aos habitantes de Belém. E foram muitos os presentes. Mas faltava um aposento mais resguardado, uma cama. Jeus chorava tanto, especialmente à noite, por causa do vento que entrava por toda a parte, Eu fazia um pouco de fogo. Pouco, porque a fumaça fazia o menino tossir... e o frio continuava. Dois animais esquentavam pouco, especialmente porque lá o ar frio entrava por todos os buracos! Faltava água quente para lavar o Menino, faltava roupa seca para trocá-lo.
Oh! Ele sofreu muito! E Maria sofria ao vê-lo sofrer. Se eu sofria... podes imaginar Sua mãe. Ela lhe dava leite e lágrimas, leite e amor. Agora, aqui estamos melhor. Eu tinha preparado um berço muito cômodo, e Maria o tinha completado com um colchãozinho bem macio. Mas ficou em Nazaré! Ah! Se Ele tivesse nascido lá, teria sido diferente!

— Mas o Cristo devia nascer em Belém. Foi profetizado.

Maria, que ouvira aquelas vozes, entra. Está toda vestida de lã branca. Tirou o vestido escuro que usara na viagem e na gruta e está toda branca em suas vestes, como a tenho visto outras vezes. Não tem nada sobre a cabeça e nos braços tem Jesus, que está dormindo, saciado de leite, envolvido em suas cândidas faixas. Zacarias se levanta, reverente, e se inclina com veneração. Depois, se aproxima, e olha para Jesus, com os sinais do maior respeito. Está encurvado, não tanto para vê-lo melhor, quanto para render-lhe homenagem. Maria oferece o Menino e Zacarias o toma, com uma tal adoração, que parece estar elevando um ostensório. É de fato Hóstia aquela que ele tem em seus braços, a Hóstia já oferecida, e que será consumida, depois de ter-se dado aos homens, como alimento de amor e de redenção. Zacarias devolve Jesus a Maria.  Todos se assentam, e Zacarias repete a Maria e o motivo pelo qual Isabel não veio, e a pena que ela sentiu por isso. Ela tinha preparado nestes meses alguns tecidos para o teu bendito Filho.

Eu os trouxe para ti. Estão no carro. Ele, se levanta e vai lá fora, voltando com um pacote grande e outro menor. Tanto do pacote grande, que José apanhou de suas mãos, como do outro, ele vai tirando logo os seus presentes: uma macia colcha de lã, tecida a mão, alguns linhos e vestidinhos. Do outro pacote vai tirando mel, uma farinha muito branca, manteiga e maçãs para Maria, pães, amassados e cozidos por Isabel, e muitas outras pequenas coisas, que falam do afeto materno da prima para com a jovem mãe.

- Dirás a Isabel que lhe sou grata, e a ti também agradeço. Eu teria muita alegria em vê-la, mas compreendo suas razões. Também gostaria de rever o pequeno João... Mas o vereis na primavera. Viremos encontrar-vos. Nazaré é muito longe, diz José.

-Nazaré? Mas vós deveis permanecer aqui. o Messias deve crescer em Belém. É a cidade de Davi. O Altíssimo o conduziu, por meio da vontade de César, para vir nascer na terra de Davi, a terra santa da Judéia. Por que, então, levá-lo para Nazaré? Vós sabeis, como os nazarenos são mal vistos pelos judeus. Amanhã este Menino deverá ser o Salvador do seu povo. E não fica bem que a cidade capital despreze o seu Rei, só porque Ele vem de uma terra que ela despreza. Vós sabeis, tanto quanto eu, como é caviloso o Sinédrio, e como são orgulhosas as três castas principais... Além disso, aqui, perto de mim, poderei ajudar-vos um pouco, e pôr tudo o que possuo, não só de coisas materiais, mas de dons morais, a serviço deste Recém Nascido. E, quando Ele estiver na idade de compreender, serei feliz de ser-lhe o mestre, como farei ao meu menino, a fim de obter que ele, depois de grande, me abençoe. Devemos pensar que Ele está destinado a um futuro brilhante e que por isso, deve poder apresentar-se ao mundo com todas as cartas, para vencer facilmente a sua partida. Ele certamente possuirá a Sabedoria. Mas só o fato de que tenha tido por mestre um sacerdote, o tornará mais aceito aos difíceis fariseus e aos escribas e tornará mais fácil a sua missão.

Maria olha para José e José olha para Maria. Sobre a cabeça inocente do Menino, que está dormindo, todo rosado e despreocupado, cruza-se uma troca muda de perguntas. E são perguntas veladas de tristeza. Maria está pensando em sua casinha. José pensa no seu trabalho. Aqui tudo está por refazer, num lugar onde, até poucos dias atrás, eles eram desconhecidos. Aqui não há nada daquelas coisas queridas, que foram deixadas lá, e preparadas com tanto amor para o Menino. E Maria diz:

- Que vamos fazer? Lá deixamos tudo. José havia trabalhado tanto Pelo meu Jesus, sem poupar fadiga ou dinheiro. Havia trabalhado até de noite porque de dia trabalhava para os outros ganhando o necessário para comprar as madeiras mais belas, a lã mais macia, o linho mais alvo, para Jesus. Ele tinha construído colméias e trabalhado de pedreiro, para dar à casa uma disposição melhor, a fim de que o berço pudesse ficar no meu quarto, e aí permanecesse até que Jesus estivesse mais crescido e o berço daria lugar à sua cama, pois ficará  comigo ate a adolescência. Jose pode ir lá buscar o que deixastes.

- E onde colocá-lo? Tu sabes, Zacarias, que nós somos pobres. Não temos mais que nosso trabalho e a casa, isto é o que nos dá sustento, sem passarmos fome. Mas aqui... trabalho poderemos achar, talvez. Mas teremos sempre que pensar em uma casa. Esta boa mulher não pode nos hospedar sempre. Eu não posso sacrificar José, mais do que ele já se sacrificou por mim' -

Oh! Eu! Para mim não é nada! Eu penso na dor de Maria. A dor de não estar em sua casa.

Maria solta duas grandes lágrimas.

- Eu penso que aquela casa lhe deve ser querida como o Paraíso, pelo prodígio que nela se realizou. Eu falo pouco, mas entendo muito. Se não fosse por isso, não me afligiria. Trabalharei dobrado, eis tudo. Sou forte e jovem. para trabalhar o dobro do que costumava, para prover a tudo. Se Maria não sofrer muito, e se tu me dizes que é bom fazer assim... aqui estou. Farei aquilo que vos parecer mais justo. Basta que a Jesus seja útil.

- Será útil, com certeza. Pensai nisso e vereis as razões. - Também se diz que o Messias será chamado Nazareno, objeta Maria.

-É verdade. Mas, pelo menos enquanto não estiver adulto, fazei que Ele cresça na Judéia. Diz o Profeta:  "E tu, Belém Efrata, serás a maior porque de ti sairá o Salvador.¨ Não fala de Nazaré conhecido. Pode ser que aquela denominação lhe será dada por algum motivo que nos é desconhecido. Mas a sua terra é esta.  - Tu o dizes, sacerdote, e nós... com dor, te estamos escutando... e te atendemos. Mas, que dor! Quando verei aquela casa, onde me tornei mãe? Maria chora baixinho. E eu compreendo este seu pranto. Oh! Se compreendo!

A visão me cessa com este pranto de Maria. '

Depois, Maria diz:

-Tu o compreendes! Eu sei. Mas me verás chorar mais fortemente ainda. Por ora, eu te alivio o espírito, mostrando-te a santidade de José, que era homem, ou seja, que não tinha outra ajuda para o seu espírito, senão a sua santidade. Eu tinha todos os dons de Deus, na minha condição de imaculada. Embora não o soubesse, na minha alma esses dons eram ativos e me davam forças espirituais. Mas ele não era imaculado. A natureza humana estava nele com todo o seu peso grave, e ele devia erguer-se para a perfeição com todo aquele peso, à custa de contínua fadiga de todas as suas faculdades, para poder alcançar a perfeição e ser agradável a Deus. Oh! Meu santo esposo! Santo em todas as coisas, até nas mais humildes coisas da vida. Santo, pela sua castidade de anjo. Santo pela sua honestidade de homem. Santo pela sua paciência, pela sua operosidade, pela sua serenidade sempre igual, pela sua modéstia, por tudo. Sua santidade brilha também neste acontecimento. Um sacerdote lhe diz: "É bom que tu te estabeleças aqui", e ele, mesmo sabendo quão maior será a fadiga que irá encontrar, diz:

"Para mim não é nada. Penso na dor de Maria. Se não fosse por isso, por mim eu não me afligiria. Basta que isso seja útil a Jesus." Jesus e Maria são os seus angélicos amores. Não amou nada mais sobre a terra, este meu santo esposo. E desse amor, ele mesmo se fez servo. Já o fizeram protetor das famílias cristãs e dos trabalhadores, e de muitas outras categorias. Mas, não somente dos agonizantes, dos esposos, dos operários; deveria-se fazê-lo protetor, também dos consagrados. Qual entre os consagrados da terra, a serviço de Deus, seja ele qual for, se terá consagrado assim a serviço do seu Deus, aceitando tudo, renunciando a tudo, suportando tudo, cumprindo tudo Prontamente com espirito alegre, com um humor constante, como ele fez?

Não, não há. 'Eu te faço observar uma outra coisa, ou melhor, duas. Zacarias é um sacerdote. José não é. Mas observa bem como aquele que não é sacerdote tem o espirito no. Céu, mais que o próprio sacerdote. Zacarias pensa humanamente, interpretando assim as criaturas, porque não é a primeira vez que faz isso, e se faz guiar;' bom senso humano. Por isso ele foi castigado. Aqui ele está tendo uma recaída, ainda que menos grave. Ele havia dito sobre o nas mento de João: "Como vai poder acontecer isso, se eu já estou velho e minha mulher é estéril?".

Agora ele está dizendo: "Para tornar fácil a sua missão, o Cristo deve crescer aqui e, e, com aquela peque na raiz de orgulho, que persiste até nos melhores, pensa em Pode; ser ele útil a Jesus. Não útil como quer ser José, servindo-o, mas útil fazendo-se mestre dele... Deus o perdoou pela boa intenção. Mas tinha, por acaso, o "Mestre" necessidade de ter mestres? Eu procurei fazê-lo ver a luz nas profecias, mas ele se julgava mais douto do que eu, e usava esse seu julgamento a seu modo. Eu teria podido insistir e vencer. Mas — e aqui está a segunda observação que desejo que faças — eu respeitei o sacerdote pela sua dignidade, e não pelo seu saber.  O sacerdote é, geralmente, sempre iluminado por Deus. Disse "geralmente" porque ele deve ser um verdadeiro sacerdote. Não é a veste que consagra, é a alma. Para se julgar se alguém é verdadeiro sacerdote, é necessário julgar o que sai de sua alma. Como disse o meu Jesus, é da alma que saem as coisas que santificam ou contaminam, aquelas coisas que informam todo o modo de agir de um indivíduo. Pois bem, quando alguém é um verdadeiro sacerdote, é geralmente inspirado por Deus. Quanto aos outros, é preciso que se tenha uma caridade sobrenatural, e que se reze por eles. Mas meu Filho te colocou a serviço desta redenção, e não digo mais nada. Sê alegre, ao sofrer, para que aumentem os verdadeiros sacerdotes. E tu, repousa na palavra de quem te guia. Crê e obedece ao seu conselho. 'Obedecer salva sempre. Ainda quando não é bem perfeito o conselho que se recebe. Tu estás vendo. Nós obedecemos. E tudo correu bem. É verdade que Herodes se limitou a fazer exterminar os meninos de Belém e dos arredores. Mas satanás não teria podido impelir e propagar estas ondas de rancor até bem mais longe, persuadindo todos os poderosos da Palestina a igual delito, para fazer suprimir o futuro Rei dos judeus? Certamente teria podido. Teria acontecido nos primeiros tempos de Cristo, quando a repetição dos prodígios havia despertado a atenção das multidões e os olhos dos poderosos. Como teríamos podido, então, se isso tivesse acontecido, atravessar toda a Palestina, para vir da longínqua Nazaré até o Egito, a terra hospitaleira aos hebreus perseguidos, carregando um bebê, recém nascido, e enquanto a perseguição se enfurecia? Foi muito mais fácil a fuga por Belém, ainda que sendo uma fuga igualmente dolorosa. A obediência salva sempre. Lembra-te disso. "'O respeito ao sacerdote é sempre sinal de formação cristã. Ai! — foi Jesus que o disse — ai dos sacerdotes que perdem sua chama apostólica!

Mas ai também de quem acha que lhe é lícito desprezá-los! Porque são eles que consagram e distribuem o Pão verdadeiro que desce do Céu. Aquele contato os torna santos como um cálice consagrado, mesmo se não são santos. Eles terão que responder a Deus por isso. Vós, considerai-os como tais, e não vos preocupeis com outras coisas. Não sejais mais intransigentes do que o vosso Senhor Jesus, o qual, por ordem deles deixa o Céu, e desce para ser elevado por suas mãos. Aprendei com Ele. Se eles são cegos, se são surdos, se têm a alma paralítica e o pensamento doente, se são leprosos por muitas culpas em contraste com a sua missão, se são Lázaros em seu sepulcro, chamai a Jesus para que os cure e ressuscite. Chamai-o com a vossa oração e com o vosso sofrimento, o almas vitimas. Salvar uma alma é predestinar a própria alma ao Céu. Mas, salvar uma alma sacerdotal é salvar um grande número de almas, porque todo sacerdote santo é uma rede que arrasta almas para Deus. Salvar um sacerdote, ou seja, santificar, santificar de novo, e criar essa mística rede. Tudo o que cair nessa rede e uma luz que se acrescenta à vossa eterna coroa. Vai em paz



CAPÍTULO 24
AS SANTAS OCUPAÇÕES E EXERCÍCIOS DA RAINHA DO CÉU DURANTE O PRIMEIRO ANO E MEIO DE SUA INFÂNCIA.

O silêncio de Maria foi voluntário

378. O inevitável silêncio dos primeiros anos das outras crianças, sua
ignorância e incapacidade de saber e poder falar, em nossa Menina rainha foi
heróica virtude. As palavras são geração do entendimento e manifestação do raciocínio, faculdades que Sua Alteza
possuía em grau perfeitíssimo desde sua conceição. Se não falou logo ao nascer,
não foi por não poder, mas sim por não querer.
Ainda que às demais crianças faltam as forças naturais para abrir a
boca, mover a tenra língua e pronunciar palavras, em Maria não houve essa falha. Em a natureza era mais robusta, e
dispondo de poder sobre todas as coisas, suas potências ter-lhe-iam obedecido, se Ela assim ordenasse.
O não falar foi nela grande virtude e perfeição para ocultar sua ciência e graça,
e evitar a admiração que produziria uma recém-nascida falando. Se fora
admiração falar quem naturalmente está impedido de o fazer, parece que é mais
admirável calar, durante ano e meio, quem teria podido falar desde o nascer.

Amor e reverência filial de Maria

379. Foi disposição do Altíssimo que nossa menina e Senhora guardasse
este silêncio durante o tempo em que, naturalmente, as outras crianças não podem falar.
Somente com seus santos anjos da guarda se dispensou desta lei, ou
quando a sós orava vocalmente ao Senhor. Para falar com Deus, autor daquele
privilégio, e com os anjos seus companheiros, quando com Ela tratavam
corporalmente, não havia a mesma razão de calar, como na presença dos homens.
Convinha que orasse com a boca, pois não tendo impedimento para isso, não
era razão que aquele órgão ficasse inativo por tanto tempo.
Apesar disto, sua mãe Sant'Ana nunca a ouviu, nem soube que era capaz
de falar naquela idade. Assim, melhor se entende como foi virtude seu silêncio
durante aquele primeiro ano e meio de sua infância.
Por este tempo, quando à sua Mãe pareceu oportuno, soltou as mãos
e os braços da Menina Maria. Ela logo tomou as de seus pais e as beijou com
grande submissão e humildade reverenciai, observando sempre este
costume enquanto eles viveram. Com algumas demonstrações acenava para que
a abençoassem, falando-lhes ao coração melhor do que com a boca. Tanta era a
reverência que lhes votava que jamais faltou em obedecer-lhes; tampouco lhes
deu trabalho ou desgosto, porque conhecia seus pensamentos e antecipava-se em satisfazer-lhes as vontades.

Vida mística da Menina Maria

380. Em todas as suas ações e movimentos era dirigida pelo Espírito Santo, e sempre fazia o que era perfeitíssimo.
Não obstante, longe de estar satisfeita com este ardentíssimo amor, nasciam-lhe
contínuos e fervorosos desejos para alcançar melhores carismas (ICor 31).
Eram-lhe muito freqüentes as revelações divinas e visões intelectuais, e quando Deus lhe suspendia um modo de
visões ou intelecções, gozava de outras Da clara visão da Divindade - como a que
descrevi acima, quando ao nascer foi levada ao céu pelos anjos - ficaram-lhe as
espécies de quanto conheceu. Desde que saiu daquela adega do vinho (Ct 2, 4)
ordenada em caridade, ficou tão ferido seu coração que, ocupando-se nesta contemplação ficava toda abrasada. Sendo-lhe o
corpo frágil e tenro e o amor forte como a morte (Ct 8, 6), chegava a sofrer extrema
dor de amor, da qual morreria se o Altíssimo não lhe fortalecesse e conservasse
miraculosamente a parte inferior e a vida natural.
Muitas vezes, porém, permitia o Senhor que aquele virginal e débil
corpinho, desfalecesse pela força do amor, e os santos anjos a sustentavam e
confortavam, cumprindo-se o que é dito da Esposa: confortai-me com flores,
fortalecei-me com frutos porque desfaleço de amor (Ct 2,5). Este sublime gênero
de martírio foi milhares de vezes sofrido por esta Senhora, com o que ultrapassou
a todos os mártires no merecimento e ainda na dor.

A dor do amor a Deus

381. A dor do amor é tão doce e apetecível que, quanto maior é sua
causa, tanto mais a deseja quem a padece; procura quem lhe fale do amado e
pretende curar a ferida reabrindo-a. Este suavíssimo artifício entretém a alma, entre uma penosa vida e uma doce morte.
Isto sucedia à Menina Maria quando falava de seu amado com os
anjos. Interrogava-os Ela muitas vezes, dizendo: - Ministros do meu Senhor e
mensageiros seus, formosíssimas obras de suas mãos, centelhas daquele divino fogo do amor de Deus que abrasa
meu coração, já que gozais de sua beleza sem véu, dai-me notícias do meu amado; quais são os
dotes de meu querido? Avisai-me se, por acaso o tenho desgostado, perguntai-
|he o que deseja e quer de Mim, e não tardeis em aliviar minha pena que desfaleço de amor.

Perfeições divinas

382. Respondiam-lhe os espíritos celestiais: - Esposa do Altíssimo, vosso
amado e único, aquele que existe por si mesmo sem de ninguém necessitar, quando dele todos precisam. Infinito em
perfeições, imenso na grandeza, ilimitado no poder, sem medida na sabedoria, sem
comparação na bondade, aquele que sem princípio o deu a tudo quanto é criado;
tudo governa sem fadiga, tudo conserva sem de nada ter necessidade; veste de
beleza toda a criação e sua formosura incompreensível tornará bem-aventurados
aqueles que chegarem a vê-lo face a face.
Infinitas são, Senhora, as perfeições de vosso Esposo, excedem a nosso entendimento e seus altos juízos são impenetráveis
às criaturas.

Comunicações com Deus

383. Nestes e noutros colóquios que nossa insuficiente capacidade não pode compreender, decorria a infância
de Maria Santíssima em companhia dos anjos e do Altíssimo no qual vivia transformada. Sendo inevitável que crescesse
no fervor e ânsias de ver o sumo Bem que amava acima de todo o pensamento,
muitas vezes por vontade do Senhor e Por mãos dos anjos, era levada corporalmente ao céu empíreo, onde gozava da
presença da Divindade.
Algumas vezes a via claramente, outras, somente por espécies infusas, mas
altíssimas e claríssimas neste gênero de visão. Conhecia clara e intuitivamente também os anjos, seus graus, ordens,
hierarquias e outros grandes mistérios.
Como este favor era muito freqüente, pela sua renovação e atos que exercitava, veio
a adquirir tão intenso e vigoroso hábito de amor, que mais parecia divina que humana
criatura. Nenhuma outra poderia ser capaz deste benefício e outros que o acompanhavam; nem a natureza mortal da mesma
Rainha os poderia receber sem morrer, se por milagre não fosse sustentada.

Humildade da Menina Maria

384. Quando era necessário, naquela idade infantil, receber algum
obséquio e benefício de seus santos pais ou de qualquer outra criatura, sempre o
aceitava com interior humildade e gratidão, pedindo ao Senhor recompensar
aquele bem que lhe faziam por amor dele.
Possuindo tão alto grau de santidade, estando repleta da divina luz do
Senhor e seus mistérios, julgava-se a menor de todas as criaturas e comparando-se com elas, punha-se na própria
estima, em último lugar. Até do alimento para a vida natural se reputava indigna,
quem era a Rainha e Senhora de toda a criação.

DOUTRINA DA RAINHA DO CÉU.

Quem muito recebe muito deve

385. Minha filha, quem mais recebe deve considerar-se mais pobre,
porque maior é sua dívida. Se todos devem humilhar-se porque por si mesmo
nada são, nada podem e nada possuem, por esta mesma razão há de se apegar
mais à terra aquele que, sendo pó, foi exaltado pela mão poderosa do Altíssimo.
Continuando por si e em si a não ser nem valer nada, encontra-se mais endividado e comprometido pelo que
pessoalmente não pode pagar. Conheça a criatura o que é por si mesma. Ninguém
poderá dizer: eu me criei, eu me sustento, eu posso prolongar minha vida e deter a
morte. Todo ser e sua conservação depende da mão do Senhor. Humilhe-se em
sua presença a criatura, e tu, caríssima, não esqueças este ensinamento.

Valor do silêncio e mal da loquacidade

386. Quero também que aprecies, como grande tesouro, a virtude, do
silêncio que eu comecei a guardar desde meu nascimento. Conhecendo, na luz que
recebi da poderosa mão do Senhor, todas as virtudes, afeiçoei-me muito a esta
do silêncio, propondo-me tê-la, por companheira e amiga durante a vida inteira.
Assim, a guardei com inviolável recato, ainda que teria podido falar desde que
nasci no mundo. O falar sem medida e peso é uma faca de dois gumes que fere
ao que fala e ao que ouve, e em ambos se ofende ou destrói a caridade e as
demais virtudes. Disto se deduz quanto ofende a Deus o vício da língua imprudente e solta. Com justiça, afasta seu
espírito e desvia sua face da loquacidade, murmúrios e conversações onde,
falando-se muito, não se podem evitar graves pecados (Pr 10, 19). Somente
com Deus e seus santos se pode falar com segurança, e ainda isso há de ser
com peso e discrição. Com as criaturas, porém, é muito difícil conservar o meio
termo da perfeição, sem passar do justo e necessário, ao ilícito e supérfluo.

O silêncio evita pecados

387. O remédio que te preservará deste perigo é ficar sempre mais
próxima do extremo contrário, excedendo-te em caiar. A prudente moderação
para falar só o necessário, acha-se mais perto do laconismo do que da verbosidade. Adverte que, sem deixar a Deus,
saindo de teu recolhimento interior, não podes ir atrás de arbitrárias conversações humanas. O que, sem grosseria, não
farias com outra criatura, não deves fazer com o Senhor teu e de todos. Afasta os
ouvidos das inúteis fabulações que te podem obrigar a falar o que não deves,
pois não é justo falares mais do que te ordena o Senhor. Ouve a santa lei que
liberalmente gravou em teu coração, escuta a voz de teu pastor, responde a Ele
só. Quero deixar-te avisada que, se quiseres ser minha discípula e companheira,
deves te distinguir por extremo nesta virtude do silêncio. Cala muito e grava
este ensinamento em teu coração agora.
Afeiçoa-te sempre mais a esta virtude, pois antes quero ver em ti este desejo,
para depois te ensinar como deves falar.
Não obstante, não te proíbo de falares quando deves admoestar e consolar tuas
filhas e súditas.

O silêncio cria a atmosfera de oração

388. Fala também com os que te podem dar notícias de teu amado, e te
despertam e inflamam em seu amor. Nestas palestras adquirirás o desejado e
proveitoso silêncio para tua alma. Delas nascer-te-á o desgosto e fastio das conversações humanas,
e somente apreciará falar do bem eterno que desejas.
A força do amor, que transformará teu ser no amado, enfraquecerá o ímpeto de tuas
paixões. Chegarás então a sentir um pouco daquele doce martírio que eu sofria
quando me queixava do corpo e da mortal vida; pois me pareciam duras prisões que
me impediam de voar, embora não me impedissem de amar. Oh! minha filha,
esquece todo o terrestre no segredo de teu silêncio. Segue-me com todo o esforço e fervor para chegares ao estado que
teu Esposo te convida, e possas ouvir aquela consolação que entretinha a minha amorosa dor: - Minha pomba, abre
teu coração e aceita, minha querida, esta doce pena, pois meu coração está ferido
pela tua afeição. Isto dizia-me o Senhor, e tu também ouviste o mesmo repetidas
vezes, porque Deus não deixa de falar ao solitário e silencioso.


LUZES INESQUECÍVEIS!
ETAPA RESTAURADORA DA VIAJEM.

Chegados que fomos mais adiante e encontrando-nos, tanto eu como minha querida Mãe e o fidelíssimo José um pouco aflitos e necessitados de algum conforto para nossa humanidade, paramos no caminho e sentados no chão, ali, alimentamo-nos das ervas daquele campo, pois não nos havia  outra coisa. Estava eu sentado no meio deles e com a minha presença os consolava de modo que, aquele alimento, mais apto para alimentar animais do que homens, tornava-se-lhes muito aprazível e suave. Ofereci ao Pai dignara aquela nossa pobreza e miséria; pedi-lhe que, do mesmo modo que se dignara por meu intermédio transformar em agradável e suave para minha Mãe e seu esposo, aquele alimento tão vil, por estar eu em meio deles, assim fizesse que para todos os meus irmãos pobres e necessitados se tornassem saborosos os alimentos ruins, por meio de sua graça, uma vez que se encontra entre eles o seu divino espirito, que é o verdadeiro condimento de todas as iguarias. Não lhes fosse duro sofrer a privação de alimentos, algumas vezes necessários, pois eu já sofrera isso antes deles, por seu amor e para dar-lhes exemplo.

Oferecia depois aqueles padecimentos em desconto de tantas culpas que meus irmãos cometem neste particular, não se contentando com o bastante para sustentar-lhes a vida, mas procurando sempre iguarias mais delicadas, pois não vivem senão para satisfazer este sentido tão contrário à virtude, principalmente quando se lhe permite desordenadamente o que ele requer. Eu desde então oferecia ao Pai aquela minha mortificação e abstinência, em suplência de sua insaciabilidade e desordem. Oferecia-me ao Pai para dar-lhe satisfação maior, apesar de não poder então, pequenino como era, realizar a desejo de sofrer muito: tanto mais que estava sujeito à obediência a minha Mãe e a José, sem querer faltar jamais quanto ao que por eles me era ordenado. Agradavam, porém, ao Pai minhas ofertas; Ele aceitava meu desejo, e declarava-me como era ainda vontade sua que me preparasse e estivesse disposto a sofrer penas e padecimentos maiores.

Havendo ingerido pouco alimento, rendia as costumeiras graças a meu Pai, junto com a querida Mãe e José. Ofereci-lhe as habituais ações de graças em agradecimento por tudo aquilo que se dignava conceder-me e em suplência por todos os meus irmãos que falhavam neste particular. A meu Pai muito aprazia sempre a que eu realizava e cada vez causava-lhe novo gáudio, como se fosse a primeira. Alegrava-me muito eu também de dar este prazer e satisfação ao Pai, tanto porque o amava muito, como pela utilidade dai decorrente para todos os meus irmãos, porque eu o tomava como motivo para reclamar novas graças e favores para eles. Apesar de bastar-me, para fazê-lo, saber que meu Pai era infinitamente bom e misericordioso, não obstante adquiria mais ânimo e confiança de pedir-lhe as graças quando via que ficava plenamente satisfeito pelo que eu obrava e lhe oferecia. Todas as vezes que lhe oferecia algo, o que acontecia continuamente, pedia-lhe alguma nova graça para todos os meus Irmãos. Entretanto, meu desejo não era outro senão glorificar o Pai, obter a salvação de meus irmãos e alcançar-lhes todas as graças necessárias para sua eterna salvação, assim como todos aqueles bens que os possam tornar capazes de darem gosto a meu Pai e torná-los muito sublimes na glória do Paraíso, que eu viera para ganhar-lhes e ensinar-lhes o caminho seguro de lá chegar.

JESUS NO MEIO DE MARIA E DE JOSÉ.

Estando um pouco restaurados e havendo rendido ao Pai as devidas graças, prosseguíamos a caminhada. Estava eu no melo deles, e eles seguravam-me as mãos. Oh, quanto se regozijavam aquelas duas almas afortunadas ao terem no meio deles a minha pessoa! Além de ser por eles muito amada, era ainda conhecida e respeitada. Igualmente eu muito me alegrava de estar entre eles, ia falando e declarando-lhes os divinos mistérios de amor, que em mim estavam escondidos, e suas almas, ao ouvirem minha voz se liquefaziam de amor.

Ofereci depois aquele prazer ao Pai, como também sentiam o consolo e o gáudio, minha dileta Mãe e o seu esposo José; e roguei-lhe com grande instância, se dignasse inspirar a todos os meus irmãos sentimento semelhante ao de Maria e de José. A saber, de levar-me no meio de seus corações, visto que não podem fruir visivelmente de minha companhia, mas podem perfeitamente ter-me de modo invisível no coração, pela graça e pelo amor.Como desejo eu estar sempre em companhia de meus Irmãos e acompanhá-los na viagem perigosa à eternidade, supliquei ao Pai, com grande insistência, que os iluminasse e lhes inspirasse trazerem-me sempre nos seus corações, que eu havia escolhido para ali estabelecer contínua morada; eu o pedi por graça a meu Pai. o qual, tendo-me dado o domínio sobre todos os meus irmãos, que eu devia resgatar com meu sangue, qual minha herança, concedeu-me ainda para posse e habitação seus corações, conforme eu desejara e lhe havia pedido.

Obtido tudo isto de meu Pai e estando muito contente com o que me havia concedido, ouvi depois do mesma que deixaria liberdade a todos os meus irmãos, de modo que dependesse deles e de sua vontade ter-me em sua companhia e dar-me o abrigo ambicionado no coração, para ali estabelecer minha morada. Vi depois que muitos, em número assaz grande, me negariam esta morada, e muitos ainda freqüentemente me expulsariam para fazer ali habitar o meu e o seu inimigo. Oh, ao ver isto, quanto me afligi, como foi amargurada aquela consolação! Lamentava-o bastante, e com grande abundância de lágrimas dizia: "Ah corações ingratos! Porque negais abrigar-me a mim, o vosso Salvador, que haverei de ser a vossa eterna bem-aventurança e que, para merecer-vos a glória do Paraíso, desci do seio do Pai, onde estava fruindo dos tesouros da divindade, e me diminui, abaixei e humilhei por vós? E vós, ingratas, permiti-vos negar-me aquilo que tanto deve-fieis desejar? Recusai-me asilo dentro de vós e expulsai-me! Porque? A fim de oferecerdes abrigo ao vosso e meu cruel inimigo, o pecado, que vim destruir por minha morte e Paixão Ah! que falta de correspondência encontrou em vós o meu amor!"

Depois voltava-me a meu Pai e dizia-lhe que lhes perdoasse tanta ingratidão e loucura, porque não sabiam o que faziam. Oferecia-lhe aquelas lágrimas em desconto da ingratidão e crueldade deles, mais para consigo mesmos do que para Comigo, pois o bem era todo para eles como igualmente dano, ano, ao passo que eu de nada tinha necessidade, e tudo o que eu procurava e por que ansiava, visava a utilidade deles e o gosto de meu dileto Pai, que tudo Isto ambicionava e reclamava de mim. Ao Pai muito apraziam minhas lágrimas e realmente, eram-lhe muito aceitas. No fito que fosse o de consolar-me, prometia-me fazer o preciso para converter o coração humano e fazê-lo render-se à doce violência de seu amor. Efetivamente, verifiquei que, por meio das lágrimas que derramava e pelas preces, muitos corações se rendiam novas inspirações e aos novos impulsos acompanhados de poderosa graça de meu Pai.

Mas quantas preces, quantas lágrimas e quantas ofertas fazia eu ao Pai no intuito de merecer aos meus irmãos a graça eficaz que eles por si jamais teriam podido merecer!  Merecia esta graça Gratis Data, à força de súplicas, e o Pai me prometia, principalmente quando me via aflito, a fim de consolar-me. Minha única consolação era que Ele  fosse por todos conhecido e amado; por isto dava-me tudo aquilo que eu requeria, a fim de que meus irmãos o conhecessem, amassem e servissem fielmente. Tendo agradecido a meu Pai tanta liberalidade, ofereci-lhe minha vontade e meu desejo em suplência por todos os meus Irmãos que não têm, a esse respeito, pensamento algum. Este pensamento lhes deveria estar a peito mais do que qualquer outro, a saber, fosse meu Pai conhecido, amado e servido por todos e eles procurassem em todas as coisas a sua maior glória. Agradaram ao Pai  as minhas ofertas e ficou satisfeito relativamente às omissões de meus irmãos irmos a este respeito. Realmente, sentia muito pesar e, segundo vosso modo de entender, tinha grande vergonha de ver como quase todos os meus irmãos andavam desviados do caminho reto e se tornavam, em tantas obras, odiosos a meu Pai. Eu, enquanto chefe e irmão mais velho deles, comparecia diante de meu Pai para ajustar com Ele os seus débitos e impetrar-lhes a graça e o favor divino. Causava-me grande confusão diante do Pai verificar a soma de suas iniquidades de toda a espécie. Oferecia-lhe esta minha confusão também em desconto daqueles que com ousadia e sem pudor se apresentam para obter dele as graças. Coisa monstruosa e abominável a meu dileto Pai. Com audácia, como se este fosse obrigado a dispensar graças àqueles que sem respeito algum o ofendem, eles vão avante com a alma cumulada de iniqüidade e soberba.

Por isto, eu não só ofereci a minha confusão, mas além disso roguei-lhe com grande instância que se dignasse iluminá-los, fazê-los conhecer o próprio erro e lhes desse um verdadeiro sentimento da infinita Majestade do Pai e da vileza, baixeza. miséria e pobreza deles mesmos. Atendeu-me nisto o benigno e amoroso Pai, revelando-me quanto se demonstrava misericordioso para com meus irmãos, pois não deixa, de diversos modos, de tornar conhecidos a cada um a grandeza de sua Majestade. o seu ser perfeitíssimo e infinito, digno de ser por todos amado, servido e temido, e a criatura, por si mesma vilíssima, indigníssima de comparecer diante de tão grande Majestade, dando a cada um luz suficiente para conhecer-se tal qual é na realidade. Mas, ao ver, esposa minha, que tudo isso não bastava, de novo instei com o meu amoroso Pai, a fim de que por minha causa, por meus méritos e pela complacência que se punha em mim, se dignasse conceder a todos luzes mais poderosas, mais válidas, e maior graça e ajuda especial. Dignou-se conceder-lhes isso por meu amor. Ao verificar que estas novas luzes, ajudas e graças produziam o respectivo efeito em numerosas almas, alegrei -me muito e rendi as devidas graças ao benigno Pai. Vi ainda, Como muitos abusariam delas, e apesar de todas as ajudas, as luzes divinas e graças, não se conheceriam a si mesmas, nem se emendariam. Senti grande desprazer e tornou-se muito amarga a alegria que experimentava por causa daqueles que as aproveitariam. Ofereci aquele pesar e amargura ao Pai com muitas expressões de afeto e de grande estima por sua grandeza, mérito e bondade, em suplência lhes por aqueles que abusavam de tantas graças que meu Pai lhes comunicava.



14-30
Maio 19, 1922
O Divino Querer no Céu é felicitante, na terra é obrante e multiplica sua Vida, seus bens, no ato da criatura.

(1) Continuando meu habitual estado, meu sempre amável Jesus se fazia ver dentro de meu
interior, no qual abrindo-se uma como portinha, apoiava seus braços e espreitava sua cabeça
para ver o que faziam as outras criaturas. Eu olhava junto com Jesus, mas quem pode dizer os
males que se viam, as ofensas que se faziam e os castigos que choverão? Era horrível esta
visão tão dolorosa; e também via nosso pobre país atingido pelo flagelo divino. Então eu, vendo
que Jesus olhava com uma ternura de amor e de dor, enquanto dias antes me tinha sido
impossível fazê-lo dirigir seu rosto e seu olhar para as criaturas, disse-lhe:
(2) "Meu amor e minha vida, olha quanto sofrem nossos queridos irmãos, não queres ter
piedade? Com tanta vontade sofreria tudo para que eles fossem perdoados. Olha, isto é um dever que me impõe o estado de vítima, a tua imitação; não sofreste tudo por nós? E como
queres que eu não sofra para os livrar dos castigos, e que não te imite, enquanto Tu sofreste
tanto?" E Jesus interrompendo o meu discurso disse-me:
(3) "Ah, minha filha, chegou a tanto o homem que não posso olhá-lo senão com horror, e se o
olho é só de dentro de ti, porque encontrando em ti todas as ternuras de minha Humanidade,
minhas orações, sinto-me movido a olhá-lo com compaixão, e por amor teu preservarei suas
vidas. O homem tem necessidade de purificações fortes, de outra maneira não se desengana e
por isso atropelarei tudo para renovar tudo, farei coisas imprevistas, castigos novos dos quais o
homem não poderá encontrar a causa, e isto para confundi-lo, mas tu não temas, por amor teu
diminuirei alguma coisa. Sinto em ti como sentia em minha Humanidade a corrente das
comunicações com todas as criaturas, e por isto me é duro não te dar e não te contentar em
nada".
(4) Mais tarde encontrei-me fora de mim mesma, num ponto altíssimo e encontrei a minha Mãe
Celestial, o nosso Arcebispo defunto, os meus pais e o meu doce Jesus nos braços do Bispo,
que, assim que me viu, o pôs nos meus braços dizendo: "Toma-o minha filha e dá-lhe um
beijo.". E Jesus fazia festa nos meus braços e disse:
(5) "Filha amadíssima do meu Querer, quero renovar o vínculo do grande dom de te fazer viver
no meu Querer, e por isso quis presentes como testemunhas a minha amada Mãe, o Bispo que
tomou parte em tua direção quando esteve na terra, e a teus pais, a fim de que tu fiques
majoritariamente confirmada em minha Vontade e recebas toda a corrente e os bens que minha
Vontade contém, e eles sejam os primeiros a receber a glória do obrar, do viver em meu
Querer. Tu não és outra coisa que um átomo em meu Querer, mas neste átomo Eu coloco todo
o peso de minha Vontade, a fim de que conforme te mova, o mar imenso de meu Querer receba
seu movimento, as águas se encrespem e como agitadas exalam sua frescura, seus perfumes,
e desbordem no bem do Céu e da terra. O átomo é pequeno, ligeiro, e não é capaz de agitar
todo o mar imenso de minha Vontade, mas posto dentro dele todo o peso dela, será capaz de
tudo, e me dará campo para dar de Mim outros atos divinos, será como a pedra lançada na
fonte, que conforme cai, as águas se encrespam, se agitam e exalam seu frescor e seu
perfume; mas a pedrinha não contém o peso de minha Vontade e por isso não pode fazer que a
fonte se desborde, mas seu átomo com o peso de meu Querer, não só pode arrastar meu mar,
mas inundar o céu e a terra.
(6) Como dentro de um só respiro virá a absorver toda minha Vontade com todos os bens que
Ela contém, e de outro respiro a porá fora, e enquanto isso faz, quantas vezes a aspires e quantas vezes a emita, tantas vezes multiplicará minha Vida, meus bens. No Céu os bem-aventurados gozam de toda a beatitude que contém meu Querer, vivem nele como em seu próprio centro, mas não o multiplicam, pois neles já estão fixos seus méritos; mas você é maisfeliz que eles podendo multiplicar minha Vida, meu Querer, meus bens; neles meu Querer é felicitante, em ti é obrante e peço teus atos para multiplicar-me. Quando você obras estou olhando com ânsia se você trabalhar no meu Querer para receber o contentamento de me ver multiplicado em seu ato. Como você deve estar atento, e não deixar passar nada!"

15-32
Junho 28, 1923

Como Deus, ao criar o homem, pôs nele o germe do Amor Eterno.

(1) Estava pensando no amor imenso de meu dulcíssimo Jesus, e Ele me fez ver todas as criaturas
como unidas dentro de uma rede de amor, e me disse:
(2) "Minha filha, ao criar o homem Eu coloquei nele tantos germes de amor: coloquei-os em sua
inteligência, nos olhos, na palavra, no coração, nas mãos, nos pés, em tudo pus o germe do amor,
e Eu devia trabalhá-lo de fora, e junto Comigo coloquei todas as coisas criadas para fazer brotar
este germe, fazê-lo crescer como Eu quisesse. Este germe, tendo sido posto por um Deus Eterno,
era eterno também ele, assim que o homem contém em si um eterno amor, e um eterno amor vai-
lhe sempre ao encontro, para receber a correspondência dos germes do seu eterno amor posto no
homem, e dar-lhe novo e eterno amor, porque eu queria estar dentro do homem como germe, e ser
como trabalhador, para formar nele a árvore do meu eterno amor; porque de que serviria ao
homem ter o olho cheio de luz se não tivesse uma luz exterior que o iluminasse? Ficaria sempre
em escuridão, assim que para gozar o efeito da luz se necessita a luz interna do olho e a luz
exterior do sol que o ilumina; assim da mente, se não tivesse a palavra que manifesta o
pensamento, a vida da inteligência morreria e ficaria sem fruto, E assim por diante. Amei tanto o
homem, que não só coloquei nele este germe do meu eterno amor, mas coloquei-o sob as ondas
do meu eterno amor que está espalhado em tudo o que foi criado, para fazê-lo germinar nele e
envolvê-lo todo no meu eterno amor; assim, se a luz do sol resplandece em seu olho, lhe leva a
onda de meu amor; se toma a água para tirar a sede, o alimento para nutrir-se, lhe levam a onda
de meu eterno amor; se a terra se estende debaixo de seus pés e fica firme para lhe dar o passo,
lhe leva a onda de meu amor; se a flor emana seu perfume, se o fogo faz sair seu calor, todos lhe
levam meu eterno amor. Mas isto não basta, Eu estou junto a ele trabalhando dentro e fora para
arrumar, confirmar e selar todas as minhas semelhanças na alma do homem, a fim de que amor
eterno lhe dou, e amor eterno me dê, assim também a criatura pode me amar com eterno amor,
porque dele contém o germe. Mas com grande dor minha o homem sufoca este germe, e então
acontece que apesar de que meu amor o tem sob suas ondas, ele não sente a luz que lhe leva
meu amor, porque ele tendo sufocado o germe ficou cego; apesar de que meu amor arde, Ele não
se aquece, e por quanto beba e coma não se lhe tira a sede nem se alimenta, pois onde não está o
germe não há fecundidade".

16-31
Novembro 20, 1923

Medos de Luisa. A vontade humana coloca na alma a inclinação ao mal, a Divina em troca faz ressurgir tudo.

(1) Sentia temor sobre o que escrevo, e pensava entre mim: "Qual não será minha confusão no dia
do juízo, se em vez de ser meu Jesus quem me fala fosse uma fantasia minha, ou bem o inimigo infernal? Meu Jesus, sinto-me morrer só de pensar, e Tu sabes a grande rejeição que sinto ao escrever, se não fosse pela bendita obediência não teria escrito nem sequer uma palavra". E sentia tal confusão, que se tivesse estado em meu poder teria queimado tudo.
(2) Agora, enquanto eu estava neste estado, meu sempre adorável Jesus saiu de dentro de mim
como uma criança pequena, e colocando sua cabecinha no meu ombro Ele apertou a minha cara e
disse:
(3) "Minha filha, por que temes? Tu não deves afligir-te pelos pensamentos, mas sim pelos fatos.
Não é verdade que sua vontade, abraçando a minha quer encontrar a todos para ligá-los à minha,
para retomar todas as relações quebradas entre a vontade humana e a Divina, oferecendo-se para
defender e desculpar as criaturas e reparar o Criador? Isto certamente é um fato em você; não é
certo que jurou querer viver em meu Querer pronunciando um sim? " Ah! esse sim te é cadeia que
te tem atada em minha Vontade, e gostando de Ela te faz aborrecer até a sombra da tua, isto é um fato, e além disso, tantas outras coisas que você sabe. Se você escrevesse e não existisse em você a vida, os fatos do que escreve, então você poderia ter medo, e eu não teria lhe dado nem força, nem luz, nem assistência, mais bem te teria diminuído e não terias podido seguir adiante, por isso acalma-te e continua vivendo como empastada em minha Vontade, a fim de que expandas os confins de tua vontade humana na minha. Olha, também minha humanidade foi pequena e foi crescendo como empastada com a Divina Vontade, de modo que conforme crescia, assim minha vontade humana, vivendo junto com a Divina, ampliava seus confins na do Eterno e preparava a Redenção e o Fiat Voluntas Tua como no Céu assim na terra. E você não quer seguir meu crescimento e seu vôo em minha Vontade? Minha Vontade não só é vida, mas é ar da alma, e se falta o ar à vida, a natureza começa a declinar, o respirar é difícil, o coração é obstruído em seu batimento, a circulação do sangue é irregular, a inteligência fica atordoada, o olho quase cego, a voz apagada, as forças perdidas; o que é que provoca tanto desordem na vida humana? A falta de ar, assim que um ar balsâmico pode restituir o ordem, vigor à natureza. E isto faz a própria vontade, que como ar mau põe o desordem, irregularidade, fraqueza e declinação para o que é bem na alma, e se não for ajuda com o ar celestial da minha Vontade, que tudo faz ressurgir, fortifica, ordena, santifica, a vida
humana será uma vida quase morta, desordenada e no declínio do mal".

17-30
Fevereiro 8, 1925

Cada alma é uma habitação da Vontade Divina.

(1) Esta manhã o meu doce Jesus fazia-se ver tão sofredor, que a minha pobre alma se sentia
desfeita de compaixão; tinha todos os membros deslocados, chagas profundas e tão dolorosas,
que Jesus gemia e se contorcia pela acerbidade da dor. Pôs-se junto a mim como se quisesse
fazer-me partícipe de suas penas; só de olhá-lo sentia refletir em mim suas penas, e Jesus todo
bondade me disse:
(2) "Minha filha, não posso mais; toca minhas chagas para adoçá-las, põe teu beijo de amor sobre
elas, a fim de que teu amor me mitigue a dor que sinto. Este meu estado tão doloroso é o
verdadeiro retrato de como se encontra minha Vontade no meio das criaturas: Está no meio delas,
mas como dividida, porque fazendo elas sua vontade, não a minha, a minha fica como deslocada e
ferida pelas criaturas, por isso une a tua vontade à minha e dá-me um alívio ao meu
deslocamento"..
(3) Eu o apertei, beijei-lhe as chagas das mãos, ó como recrudesceram por tantas obras, até
santas, mas que não têm seu princípio na Vontade de Deus; para adoçar-lhe o espasmo o
estreitava em minhas mãos e Jesus tudo se deixava fazer, Eu o amava, e assim o fiz também com
todas as suas outras chagas, tanto, que quase toda a manhã esteve comigo. Finalmente, antes de
me deixar, disse-me:.
(4) "Minha filha, adoçou-me, sinto meus ossos em seu lugar, mas você sabe quem pode adoçar-me
e reunir meus ossos deslocados? Que faz reinar em si a minha vontade. Quando a alma faz a um
lado sua vontade, não lhe dando nem sequer um ato de vida, minha Vontade faz de dona na alma,
rainha, manda e impera, se encontra como se estivesse em sua casa, isto é, como em minha Pátria
Celestial, assim que sendo casa minha, Domino, disponho, coloco nela do meu, porque como meu
habitação posso pôr o que quero para fazer com ela o que quero, e recebo a maior honra e glória
que a criatura pode me dar. Em troca, quem quer fazer sua vontade, faz ela de dona, dispõe,
manda, e minha Vontade está como uma pobre estranha, não é tomada em conta, e muitas vezes
desprezada. Gostaria de pôr do meu mas não posso, porque a vontade humana não me quer ceder um lugar, mesmo nas coisas santas ela quer fazer como cabeça, e Eu nada posso pôr do meu.
Como me encontro mal na alma que faz reinar sua vontade! Acontece-me como a um pai que vai
buscar um filho seu distante, ou então um amigo a outro amigo: Enquanto toca, abre-se a porta,
mas deixa-lhe na primeira sala, não lhe prepara o alimento, nem uma cama onde deixá-lo
descansar, não lhe fazem parte nem das suas alegrias nem das suas penas; ¡que afronta, que dor
para este pai, ou bem amigo! Se levou tesouros para presenteá-los, nada deixa e sai ferido no fundo de seu coração. Ao contrário, com outro, não apenas o vêem, põem-se em festa, preparam-lhe o melhor alimento, a cama mais macia, aliás, dão-lhe pleno domínio sobre toda a casa e até sobre eles mesmos; não é isto a maior honra, amor, respeito, submissão que se pode usar com um pai ou com um amigo? O que não o deixará de belo e de bom para compensar tanta generosidade?.
(5) “Tal é minha Vontade, vem do Céu para habitar nas almas, e em lugar de fazer-me dono e
senhor, me têm como um estranho e abandonado, mas minha Vontade não se vai, embora me
tenham como estranho permaneço no meio deles, esperando para dar-lhes meus bens, minhas
graças e minha santidade".

17-31
Fevereiro 15, 1925

A Divina Vontade no Céu é confirmante, beatificante, felicitante, divinizante; na terra, na alma, é obrante e
forma nela as ondas eternas que atropelam tudo.

(1) Estava abandonando-me toda na Santíssima Vontade de Deus, e estando nesse total e pleno
abandono sentia em mim um novo céu, um ar todo divino que me infundia uma nova vida. E meu
sempre amável Jesus, movendo-se em meu interior, me parecia que me estendia os braços para
receber-me e esconder-me nele e pôr-me sob este novo céu de sua Vontade, que em mim, com
sua graça se formou, e eu com grande alegria respirava o ar balsâmico e doce da sua Santíssima
Vontade. Então eu, cheia de espanto, disse:.
(2) "Meu amor, meu Jesus, como é belo o Céu da tua vontade! Como se está bem debaixo dela, ó,
como é refrescante e saudável o seu ar celestial!" E Jesus, estreitando-me mais forte a Ele me
disse:.
(3) "Filha da Minha Vontade, cada ato da Minha Vontade é um novo céu que se estende sobre a
cabeça da alma, um mais belo que o outro. O ar destes céus é divino e leva consigo: santidade,
amor, luz, fortaleza, e contém todos os gostos juntos; por isso se sente balsâmico e doce. A minha Vontade no Céu é confirmante, beatificante, felicitante e penetrante em toda a parte, transformante,
divinizante tudo em Si; em vez disso, na alma que possui estes novos céus da minha Vontade na
terra, é obrante, e enquanto obra deleita-se em estender novos céus. Portanto, a minha Vontade
trabalha e opera mais na alma viajante do que na Jerusalém celeste; lá, as obras dos santos já
estão cumpridas, não há mais o que fazer; mas aqui a minha Vontade sempre tem o que fazer na
alma na qual Ela reina, por isso quer tudo para Ela, não quer deixar nenhum ato à vontade
humana, porque quer fazer muito, e em cada ato que cedesse à vontade humana lhe faltaria para
estender um céu de mais e seria uma obra sua de menos. Ah! Você não sabe o que acontece na
alma quando dá toda a liberdade à minha vontade de operar nela, e a alma trabalha em minha
Vontade. Imagine o mar quando se elevam tão fortes e altas as ondas que não só as águas, senão
que a força das ondas transporta até os peixes ao alto, de modo que se vê naquelas ondas,
transportados pela força da tempestade, que até os peixes são tirados do fundo do mar, da sua
morada diária para se erguer em alto junto com as ondas; as ondas os atropelaram e não puderam
resistir a essa força, enquanto que sem a força das ondas não sabem sair de sua morada. Oh! se o
mar tivesse uma força sem limite faria sair toda a água de seu leito, formando ondas altíssimas e
todos os peixes envolvidos nelas. Mas o que o mar não pode fazer porque é limitado em sua força,
faz a minha vontade; conforme faz seus os atos da alma operando nela, aí forma as ondas eternas,
e nelas une tudo, e se vê nestas ondas o que fez a minha humanidade, as obras da minha Mãe
Celestial, as de todos os santos, o mesmo que fez a própria Divindade, tudo é posto em
movimento. A minha vontade é mais do que mar, as nossas obras, as dos santos, podem ser
semelhantes aos peixes que vivem no mar; quando a minha vontade opera na alma, e mesmo fora
da alma, tudo o que nela há, tudo se move, se eleva, se põem em ordem para nos repetir a glória,
o amor, a adoração, desfilam diante de nós dizendo-nos: Somos obras tuas, grande e poderoso és
Tu, pois assim tão belas nos fizeste'. A minha vontade encerra tudo o que é belo e bom, e quando
nada deixa para trás, para fazer que naquele ato nada falte do que é nosso, para fazer que seja
completa a nossa glória; e não há de que se espantar, porque é o obrar eterno que se desenvolve
na alma. Por isso o obrar de minha Vontade pode-se chamar onda eterna, que une Céu e terra
como num ponto só, e depois se difunde sobre todos como portadora de um ato divino. Oh! como o
Céu goza quando vê operar na alma a Vontade Eterna, porque tendo sido confirmadas suas obras
na Divina Vontade no Céu, vêem correr suas obras naquele ato divino e se sentem duplicar a
glória, a felicidade, as alegrias. Por isso te recomendo, já que és a pequena filha de meu Supremo
Querer, que cada ato teu o deixe em poder das ondas eternas de meu Querer, a fim de que
chegando estas ondas aos pés de nosso Trono no céu, possamos sempre confirmar-te mais como nossa verdadeira filha de nossa Vontade, e possamos conceder-te resgates de graça em favor de
teus irmãos e filhos nossos".

17-32
Fevereiro 22, 1925
Como Deus ao criar o homem formou diferentes caminhos para facilitar-lhe a entrada em sua Vontade, portanto na Pátria Celestial.

(1) Estava pensando no Santo Querer Divino, e pedia a meu amável Jesus, que por sua bondade
me desse a graça de que em tudo cumprisse sua Santíssima Vontade, e dizia: "Tu que amas e
queres que tua Vontade se faça, ajuda-me, Deus, põe a cada instante teu Querer em mim, a fim de
que nenhuma outra coisa possa ter vida em mim". Agora, enquanto eu rezava, meu doce Jesus se
moveu dentro de mim, e me apertando fortemente a Ele me disse:.
(2) "Minha filha, como me fere o coração a oração de quem busca só meu Querer! Sinto o eco de
minha oração que fiz estando Eu sobre a terra, todas minhas orações se reduziam a um ponto só,
que a Vontade de meu Pai, tanto sobre Mim como sobre todas as criaturas se cumprisse. Foi a
maior honra para mim e para meu Pai Celestial, que em tudo fiz sua Santíssima Vontade. A minha
humanidade, ao fazer sempre e em tudo a Vontade do Eterno abria os caminhos entre a vontade
humana e a Divina, fechadas pela criatura.
(3) Você deve saber que a Divindade ao criar o homem formou muitas vias de comunicação entre o
Criador e a criatura: Via eram as três potências da alma: a inteligência, caminho para compreender
minha Vontade; a memória, via para recordar-se dela continuamente; e a vontade em meio a estas
duas vias, formava a terceira via para ir na Vontade de seu Criador. A inteligência e a memória
eram o sustento, a defesa, a força do caminho da vontade, para que não pudesse desviar-se nem
para a direita nem para a esquerda; via era o olho, para que pudesse ver as belezas, as riquezas
que há em minha Vontade; via era o ouvido, para que pudesse ouvir as chamadas, as harmonias
que há nela; via a palavra, na qual pudesse receber o meu contínuo desafogo da minha palavra
Fiat, e os bens que o meu Fiat contém; via eram as mãos, que elevando-as em suas obras na
minha Vontade, tivesse chegado a unificar suas obras às obras de seu Criador; via eram os pés,
para seguir os passos de meu Querer; via era o coração, os desejos, os afetos, para encher-se do
amor de minha Vontade e repousar nela. Veja então quantas vias há na criatura para vir em minha
Vontade, sempre e quando o queira. Todas as vias estavam abertas entre Deus e o homem, e em
virtude de nossa Vontade, nossos bens eram seus; além disso era nosso filho, imagem nossa, obra saída das nossas mãos e do sopro ardente do nosso seio. Mas a vontade humana, ingrata, não
quis gozar dos direitos que Nós lhe demos sobre nossos bens, e não querendo fazer nossa
Vontade fez a sua, e fazendo a sua formou as barreiras e os muros em todos esses caminhos e se
restringiu no mísero cerco de sua vontade, perdeu a nossa e andou errante no exílio de suas
paixões, de suas fraquezas, sob um céu tenebroso carregado de raios e de tempestades, pobre
filho em meio a tantos males queridos por ele mesmo. Assim, cada ato de vontade humana é uma
barreira que coloca a minha, é uma grade que forma para impedir a união dos nossos querer, e a
comunicação dos bens entre o Céu e a terra fica interrompida.
(4) Minha humanidade compadecendo e amando com amor infinito ao homem, com fazer em tudo
a Vontade de meu Pai manteve íntegras estas vias, e impediu remover as barreiras e romper as
cercas que a vontade humana havia formado; Então abri de novo os caminhos para quem quiser vir
em minha Vontade, para restituir os direitos que por nós haviam sido dados ao homem quando o
criamos. As vias são necessárias para facilitar o caminho, são meios para poder fazer com
frequência uma visita à sua própria Pátria Celestial, e conhecendo como é bela a sua Pátria, como
é feliz nela, a ame e aspire a tomar posse, portanto viva desapegado do exílio. Estes caminhos na
criatura eram necessários para fazer que freqüentemente subisse a sua verdadeira Pátria, a
conhecesse e a amasse, e um sinal de que a alma está nestes caminhos e de que ama sua Pátria
Celestial é, pondo-se em caminho em nossa Vontade faz suas visitas. Este é também um sinal
para você, você não se lembra quantas vezes você tomou o caminho do Céu e você entrou nas
regiões celestiais e fazendo sua breve visita, meu Querer fez você descer de novo para o exílio, e
você amando a Pátria, o exílio parecia feio e quase insuportável. Este amar a Pátria, sentir a
amargura de viver no exílio, é um bom sinal para ti, que a Pátria é tua. Olha, também nas coisas
baixas deste mundo acontece o mesmo: Se alguém tem uma grande possessão, forma-se o
caminho para ir freqüentemente a visitá-la, a gozá-la, a tomar os bens que há nela, e enquanto a
visita, a ama e a leva em seu próprio coração, mas se em troca não se forma um caminho, jamais
visita sua propriedade, porque sem caminho é quase inacessível, e nunca fala dela, isto é um sinal
de que não a ama e despreza os seus próprios bens, e embora pudesse ser um rico, ele, por sua
má vontade, é um pobre que vive na mais esquálida miséria. “Eis por que razão a minha sabedoria
ao criar o homem quis formar os caminhos entre Eu e Ele, para lhe facilitar a santidade, a
comunicação dos nossos bens e a entrada na Pátria Celestial"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Volume 1 - Livro do céu - Diário da Serva de Deus Luisa Piccarreta

31 Dias  - Orações diárias  - Giros da Alma  - 24 Horas Paixão   - Biografia Luisa  - Canal Vídeos  - Página Facebook  -  Rodada Páscoa a...